Dependência Emocional

Dependência Emocional

“As minhas decisões são feitas de acordo com a aprovação de outra pessoa, não consigo tomar decisões sozinho, tenho medo da reprovação alheia, não consigo ficar solteiro, entre outros exemplos parecidos podem identificar uma dependência emocional.”

Uma pessoa que depende emocionalmente de outra pessoa, não conhece a si mesmo e com isso tem dificuldade de saber o que gosta e como se sente bem na maioria das situações. Esta falta de autoconhecimento gera insegurança e baixa autoestima. Um dos riscos de ter esta dependência, em se tratando de vida amorosa, é que a pessoa aceita se relacionar com qualquer parceiro apenas para ter alguém para depender emocionalmente. E desta forma, se demonstra fraca, sem valor próprio, aceitando tudo o que seu parceiro sugere sem o saudável senso crítico.

Transtorno Da Personalidade Dependente pelo DSM-IV

Uma necessidade invasiva e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso e aderente e a temores de separação, que começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos, indicado por pelo menos cinco dos seguintes critérios:

  • Dificuldade em tomar decisões do dia-a-dia sem uma quantidade excessiva de conselhos e reasseguramento da parte de outras pessoas;
  • Necessidade de que os outros assumam a responsabilidade pelas principais áreas de sua vida;
  • Dificuldade em expressar discordância de outros, pelo medo de perder o apoio ou aprovação. Nota: Não incluir temores realistas de retaliação;
  • Dificuldade em iniciar projetos ou fazer coisas por conta própria (em vista de uma falta de autoconfiança em seu julgamento ou capacidades, não por falta de motivação ou energia);
  • Vai a extremos para obter carinho e apoio de outros, a ponto de voluntariar-se para fazer coisas desagradáveis;
  • Sente desconforto ou desamparo quando só, em razão de temores exagerados de ser incapaz de cuidar de si próprio;
  • Busca urgentemente um novo relacionamento como fonte de carinho e amparo, quando um relacionamento íntimo é rompido;
  • Preocupação irrealista com temores de ser abandonado à sua própria sorte.

Como tratar esta dependência?

A chave para o tratamento desta dependência é se conhecer, saber mais de sua história de vida e entender os “por quês” de suas decisões. A melhor forma de fazer isso, é através de um profissional psicólogo para orientá-lo neste desafio. Após isso, estabelecer estratégias para combater este hábito, descobrindo crenças irreais, quebrando paradigmas que reforçam tais comportamentos de dependência.

A consequência de um tratamento para este tipo de dependência é a pessoa poder construir sua vida por meio de suas próprias decisões e com isso, crescer e se desenvolver como indivíduo podendo atingir suas metas de vida.

Autora: Leticia Marques (Psicóloga CRP 06/114273)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.