Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Tipos de Compulsão

Categoria dos serviços da psicóloga: clínica de psicologia
Tipos de Compulsão

Ser compulsivo pode estar ligado a muitos fatores: compulsão por compras, compulsão por alimentos, compulsão por jogo. Existem muitas maneiras de compulsão e, quando diagnosticado como “compulsão”, precisa ser cuidado.

Compulsão, de forma resumida, é o ato recorrente do indivíduo de fazer a mesma coisa várias vezes, sem necessidade (mas o indivíduo compulsivo não percebe quando está fazendo alguma coisa de forma compulsiva).

A compulsão, muitas vezes, também pode vir acompanha de sintomas de ansiedade e até mesmo de depressão, quando o indivíduo sente necessidade de preencher algum “vazio”.

Claro que, geralmente, quando buscam por tratamento, esses indivíduos foram orientados ou mesmo perceberam que estes comportamentos vêm afetando sua vida e consequentemente, sua rotina.

Às vezes esta compulsão pode vir de onde menos esperamos: quando percebemos que aquela amiga compra muitas roupas, sapatos, bolsas sendo que ela já está com o armário repleto de tudo aquilo, e ainda assim, ela quer mais e pior, sempre usando as mesmas roupas de sempre!

Ou mesmo quando uma pessoa come exageradamente, mistura alimentos que nada tem a ver, só pensa e só fala em comida… E aquela pessoa, namorado(a) / marido(esposa) que começa a se perder na compulsão por jogos/apostas e coloca em risco o patrimônio da família. Estas são algumas das compulsões mais comuns, mas existem muitas outras.

Valor Consulta Psicóloga Renata






Não quero informar nome ou e-mail





A principal questão é: existe tratamento e precisa ser tratado, uma vez que isto causa transtornos a médio e longo prazo na vida do paciente e também daqueles que o cercam, como familiares e amigos que fazem parte da convivência.

Em alguns casos, pode gerar até mesmo um corte de relação, pois muitas vezes a compulsão chega a ser tanta que os que estão ao redor simplesmente não aceitam e se incomodam.

Como tratar?

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Primeiramente, como em quaisquer outras demandas, o indivíduo precisa entender que está necessitando do auxílio de um profissional. Esse entendimento pode vir de um amigo, familiar, ou mesmo do próprio paciente. E o ideal, nestes casos, é buscar a ajuda de um psicólogo.

A busca por um tratamento começa quando o paciente percebe que aquilo está afetando sua rotina, e que ele(a) sozinho(a) já não está dando conta de impor limites em seu próprio comportamento.

O psicólogo terá muitas maneiras de trabalhar esta compulsão e por isso não existe um prazo estipulado de sessões para que se consiga alcançar o objetivo da terapia.

É necessário cuidado e paciência, uma vez que a compulsão é vista quase que como um vício: precisa ser feito o desmame, e todo um trabalho minucioso para que impacte o mínimo possível a vida do paciente, também para que esse “desapego” seja encarado de forma saudável e naturalista.

O importante é que o paciente entenda que esta mudança é para melhorar sua qualidade de vida e, consequentemente, daqueles que o cercam. A mudança é possível, então, comece já!

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana Filla Brotto

CRP 06/106524 – 6ª Região

FORMAÇÃO

Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.