Como a terapia de Casal pode ajudar você a salvar o seu casamento?

Categoria dos serviços da psicóloga: terapia de casal, relacionamento conjugal, relacionamentos, casamento, divórcio
Como a terapia de Casal pode ajudar você a salvar o seu casamento

A vida a dois é um dos maiores exercícios de convivência do ser humano, que envolve todo um mundo de expectativas em relação ao outro e também em relação aos caminhos que serão trilhados em conjunto. No entanto, apesar de todos os laços afetivos que unem o casal, vários fatores colaboram, ao longo do tempo, para que nem sempre as coisas sigam o rumo esperado. Rotina, trabalho, filhos, contas a pagar, viagens e mesmo doenças podem fazer com que as pessoas se distanciem, reajam de forma inesperada ou se revelem com comportamento bastante diferente do que se esperava. Nessas horas a terapia de casal pode, efetivamente, ser um instrumento de compreensão e união, como ferramenta de reaproximação e diálogo que pode ter deixado de existir.

Está procurando por psicóloga em São Paulo para questões de relacionamentos ou terapia de casal? Então conheça as psicólogas no nosso consultório de psicologia, confira o valor da consulta e agende uma consulta diretamente pelo site.

Claro que ninguém se casa pensando em não ser feliz – mas a realização da vida perfeita, do companheirismo que supera todas as dificuldades, da entrega total e irrestrita e da confiança sem limites na maior parte das vezes pode ser uma questão de sorte. Ainda que nenhum fator externo influenciasse a rotina e o casal vivesse em uma redoma, há aspectos da personalidade de cada um que só aparecem com a convivência – daí ser comum se ouvir que só se conhece o outro quando se vive debaixo do mesmo teto. E nem sempre a face real é aquela que esperávamos.

As dificuldades diárias enfrentadas como profissionais, como pais e mães, como donos de casa e como marido e mulher influenciam não só na reação às pequenas coisas do dia a dia, mas também na forma como vemos o outro, e é praticamente impossível não levar agentes externos para dentro do casamento. Por isso a terapia de casal pode ter um papel decisivo quando o sentimento original se mantém intacto ainda que por baixo de camadas de mágoas e decepções, de ansiedades e de planos não realizados.

Indicada para qualquer tipo de casais, a terapia procura trabalhar os mecanismos psíquicos comuns dos relacionamentos amorosos, sejam de que forma for. Claro que não há um padrão específico ou correto de relacionamento a seguir, muito menos um protótipo estrutural de como um casamento deve ser em relação a idade, época ou tempo de união, mas muitas vezes é preciso trabalhar a maturidade afetiva de forma a atender carências afetivas e também equilibrar vontade de receber aspectos como estabilidade, carinho, compreensão, companheirismo, fidelidade e reconhecimento, por exemplo, com a própria disposição de dar. Assim o conflito se perpetua e cresce, atingindo níveis insuportáveis – mas não necessariamente insuperáveis.

A terapia de casal procura trabalhar cobranças, sentimentos exagerados que pautam comumente os relacionamentos modernos, quando vários mitos foram trocados por outros mitos: o “amor eterno” pela “verdade total”, a cobrança excessiva da fidelidade pelo mito da independência, a paixão avassaladora pelo esfriamento do sexo, que muitas vezes nada mais é do que uma adaptação natural do furor inicial, por exemplo. A sociedade cria mecanismos “reguladores” dos relacionamentos que podem tornar-se verdadeiras armadilhas.

A falta de diálogo, de paciência e de comunicação com o outro leva aos casais à terapia, mas a própria procura em si do profissional já demonstra a intensão de consertar, de continuar apostando no relacionamento. Os rumos tomados pelo casal a partir do início do processo analítico, no entanto, será definido apenas pelo tempo, ao longo da terapia, conforme as verdadeiras razões dos conflitos forem sendo desvendadas e resolvidas. A vida a dois é um projeto arriscado, como tudo o que realmente vale a pena.

Quem leu esse texto também se interessou por:

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana F. Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.