O que é um psicólogo?

Psicólogo

O que é um psicólogo?

O psicólogo é o profissional responsável por estudar como pensamos, sentimos e nos comportamos, segundo um ponto de vista científico. A partir daí, ele aplica esse conhecimento ajudando as pessoas a entender, explicar e analisar as suas questões internas de forma a mudar o seu comportamento.

E mais: o psicólogo identifica traumas, medos e receios que acarretam em uma vida frustrada. Uma vez identificados, através de técnicas e abordagens variadas, esses problemas são superados, melhorando a vida dos pacientes.

Onde trabalham os psicólogos?

Os psicólogos trabalham, principalmente, como docentes ou pesquisadores em universidades ou organizações governamentais. Também podem trabalhar como profissionais em hospitais, clínicas, consultórios – próprios ou não -, escolas, programas de assistência aos funcionários de empresas privadas ou ainda como consultores em corporações e organizações. Atuam tanto em pesquisas, quanto na prática.

Como atuam os psicólogos?

A psicologia atua na área de pesquisa, prática e ensino em um grande número de tópicos relacionados à forma como as pessoas pensam, sentem e se comportam em seu ambiente.

O trabalho dos psicólogos, portanto, pode envolver indivíduos, grupos, famílias e também o governo, as empresas e a indústria de modo geral. Eles podem até se especializar em animais. Veja alguns exemplos de setores em que os psicólogos concentram as suas pesquisas e práticas:

  • Saúde mental: depressão, ansiedade, fobias, medos, etc;
  • Distúrbios neurológicos, genéticos, psicológicos e sociais de comportamento;
  • Papel dos fatores psicológicos na prevenção de doenças e na manutenção da saúde física;
  • Reabilitação e adaptação à incapacidade e doenças crônicas;
  • Percepção e manejo da dor;
  • Funções cognitivas (aprendizagem, memória, resolução de problemas, capacidade intelectual);
  • Comportamento criminal, prevenção de crimes e serviços para vítimas e perpetradores de atividades criminosas;
  • Vícios, uso de substâncias e abuso de álcool, tabagismo, prescrição e drogas recreativas;
  • Relação entre fatores psicológicos e doenças como diabetes, doenças cardíacas, acidente vascular cerebral e outras;
  • Gestão de aspectos psicológicos de doenças terminais e cuidados de fim de vida;
  • Estresse, raiva e outros aspectos da gestão do estilo de vida;
  • Psicologia no local de trabalho (motivação, liderança, produtividade, marketing, locais de trabalho saudáveis, ergonomia);
  • Relacionamentos e problemas conjugais e familiares;
  • Fatores psicológicos relacionados ao desempenho no trabalho, escola, recreação e esporte.

Diferenças entre psicólogo e psiquiatra

A principal diferença entre um psicólogo e um psiquiatra se refere à formação acadêmica de cada um dos profissionais. Para atuar como psiquiatra é necessário cursar seis anos de medicina e mais dois ou três de residência em psiquiatria. Já para atuar como psicólogo, deve-se fazer uma graduação de cinco anos em psicologia e, em seguida, especializar-se na área e na abordagem escolhida.

Os psiquiatras, ao contrário dos psicólogos, podem prescrever medicação para ajudar os seus pacientes a gerenciar os seus transtornos (por exemplo, casos de depressão profunda, esquizofrenia, anorexia, demência, etc). Alguns psiquiatras, a exemplo dos psicólogos, também fazem psicoterapia.

Após a habilitação, com duração de cinco anos, o psicólogo pode especializar-se em diversas áreas, como, por exemplo, Psicopatologia, Psicologia Social, Psicologia Forense, Psicologia Clínica, Psicologia do Trabalho, Psicologia Esportiva, Psicologia Comparada, entre outras. O psicólogo é treinado de forma exclusiva a utilizar de testes psicológicos para ajudar na avaliação e nos diagnósticos dos pacientes.

Limites das competências

Embora a formação de um psicólogo seja abrangente, eles devem declarar suas áreas específicas de atuação ao órgão regulador e são obrigados a praticar a profissão dentro dos limites de sua competência.

Por exemplo, um psicólogo que atua na área de neuropsicologia (que trata de problemas de raciocínio ou da função cerebral que pode ocorrer após um acidente ou um AVC) deverá ser especializado na área de neuropsicologia. Se o psicólogo trabalha com crianças, sua especialização deve ter sido psicologia infantil. No caso de especialidades, os psicólogos devem fazer um curso de pós-graduação e, se necessário, até um doutorado.

Vício em Exercícios Físicos

Vício em exercícios físicos: quando atividade física faz mal
Quando atividade física faz mal
Exercícios físicos são ótimos para tudo. Nos deixam saudáveis física e psicologicamente, previnem e tratam muitas doenças, nos deixam felizes pois induzem a produção de endorfina, melhora nossa autoestima… Os benefícios são imensos, mas e quando a pessoa começa a perder o controle e se exercitar de forma descontrolada? Você sabia que existe a chamada vigorexia? E ela também induz ao vício em exercícios físicos?…

Energia no seu Dia a Dia

Como ter mais energia e disposição no seu dia
Como ter mais energia e disposição no seu dia
Quando precisamos recarregar nossas baterias a fim de ter um pouco mais de energia e disposição é comum pegarmos uma xícara de café… Mas você sabia que existem muitas técnicas psicológicas e exercícios que irão te dar até mais resultados?…

Pessoas Assertivas

5 características de pessoas assertivas
5 características de pessoas assertivas
As teorias do temperamento são bastante antigas. Desde a época clássica grega, a psicologia em geral, utiliza a ideia de quatro grandes grupos comportamentais: agressivo, passivo, agressivo/passivo e assertivo. Como vimos, a pessoa assertiva será a nossa atenção especial. Leia o artigo e conheça as características de pessoas assertivas…

Bullying na Vida Adulta

Consequências do bullying na vida adulta
Consequências do bullying na vida adulta
Você sabia que as consequências do bullying podem ser vistos na vida adulta? Desde baixa autoestima até transtornos emocionais, todos podem ter uma raiz comum.

Autora: Thaiana F. Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.