Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Pânico, Medo e Fobia

  • Psicóloga: Pânico, Medo e Fobia

O medo é uma resposta vital para situações de perigo iminente, seja um perigo que afetaria o indivíduo fisicamente ou emocionalmente. Se não sentíssemos medo não poderíamos evitar, muitas vezes, ameaças legítimas. É uma reação natural de proteção.

Mas, muitas vezes temos medo de situações corriqueiras do nosso dia a dia. Traumas ou experiências ruins podem desencadear uma resposta de medo exagerada e difícil de controlar. Expor-se às situações de medo, com cautela e eventualmente com ajuda de um psicólogo, pode ser uma boa maneira de superá-los.

Existem diversos tipos de medos que podem ser experienciados pelas pessoas ao longo da vida, e a intensidade com que cada um desses medos se desencadeia depende de algumas variáveis, como contexto, situação, idade e história de vida da pessoa que o vivenciou.

No artigo a seguir vamos abordar de uma maneira mais aprofundada dois tipos muito comuns de medo. Justamente por serem comuns e muitas vezes evitáveis, muitas pessoas optam por simplesmente não os encarar, sem ao menos tentar entender o que pode ter motivado a sua origem e como é possível enfrenta-lo. Portanto, a seguir falaremos sobre medo de altura e medo de dirigir.

Medo de altura

Mais conhecido como acrofobia, o medo de altura é um problema que impacta significantemente a qualidade de vida de uma pessoa. Esta fobia surpreendentemente comum faz com que inúmeras pessoas ao redor do mundo sofram ao precisar lidar com situações em que a altura faz parte do contexto.

A acrofobia é o medo extremo e irracional de altura, podendo causar ataques de pânico e afastar a pessoa do convívio social, além de impactar sua vida negativamente, limitando as oportunidades de carreira, bem como afetando situações simples do dia a dia, tais como ajudar o seu filho a descer de uma árvore, escolher o destino das férias ou trocar uma lâmpada.

Esta fobia pode ser perigosa, como em situações combinando grandes alturas e ataques de pânico, em que a pessoa fica incapaz de manter-se segura por conta de sua agitação.

Alguns acrofóbicos – como são chamadas as pessoas que sentem esse medo – também sofrem de impulsos e desejos de se jogar, apesar de não serem suicidas. Isso acontece pela necessidade intensa de sair daquela situação.

Quais as causas do medo de altura?

Valor consulta atendimento online e presencial psicóloga Juliana






Não quero informar nome ou e-mail





Tradicionalmente, a acrofobia tem sido atribuída, como outras fobias, ao condicionamento ou a uma experiência traumática envolvendo altura.

Outra explicação aceitável é a de que o medo de altura é um mecanismo de sobrevivência evolutivo dos mamíferos. No entanto, a acrofobia afeta bem mais os indivíduos do que apenas o receio do perigo de estar no alto, que a maioria de nós sente.

Muitos psicólogos e pesquisadores acreditam que o medo de altura provém tanto por ter vivenciado uma queda anterior, ou ao presenciar seus pais, responsáveis ou pessoas próximas tendo uma reação exagerada com relação à altura.

Quais os sintomas que podem gerar o medo de altura?

Muitas pessoas sentem um pouco de apreensão e nervosismo quando estão nas alturas e olham para baixo – este é um sentimento considerado natural e até mesmo bem apropriado.

No entanto, quando você vivencia ataques de pânico, respiração rápida, náuseas, tontura ou vertigem ao ir em direção a uma varanda ou terraço, subir um lance de escadas, entrar em um elevador ou dirigir sobre uma ponte, é sinal que este medo se tornou ou está se tornando uma obsessão irracional.

Os sintomas típicos de pessoas com acrofobia incluem:

  • Falta de ar;
  • Respiração rápida;
  • Pensamentos recorrentes de que algo de ruim vai acontecer;
  • Batimentos cardíacos irregulares;
  • Suor;
  • Náuseas; e
  • Sentimentos gerais de pavor.

Dependendo de sua gravidade, uma pessoa acrofóbica pode tanto temer estar em um andar alto de um edifício, subir uma escada ou qualquer outra atividade que envolva estar acima do chão.

É importante frisar que pessoas com acrofobia podem ou não ter sintomas de vertigem. A maioria sente uma sensação de pânico geral e procura instintivamente um lugar para se segurar, pois se sente incapaz de confiar em seu próprio senso de equilíbrio.

Qual o tratamento para medo de altura?

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Por se tratar de um medo gerado pela insegurança do que pode acontecer e pela recorrência de pensamentos negativos diante da situação de alerta, um psicólogo é o profissional mais indicado para ajudar pessoas com acrofobia.

Através da psicoterapia, pessoas que têm acrofobia desenvolvem habilidades de enfrentamento para gerenciar o medo e a ansiedade.

As sessões envolvem a compreensão da fobia e leva o paciente a ajustar seus pensamentos e crenças que ajudam a criar a ansiedade e a aprender e praticar habilidades sociais comportamentais específicas para aumentar a confiança, para que então, lentamente e gradualmente, consiga praticar essas habilidades em situações reais.

A Terapia Cognitivo-Comportamental também é altamente recomendada para tratar fobias específicas como essa. Em adição, o psicólogo ensina o paciente a controlar seus sintomas de pânico, recuperando sua segurança emocional.

A exposição às alturas também é uma solução bem comum, principalmente nos dias de hoje, em que é possível utilizar óculos de realidade virtual para tratar a fobia, sem qualquer risco ou necessidade de deslocamento.

Medo de dirigir

Medo de Dirigir

Acelerador, freio, freio de mão, troca de marcha, retrovisor, seta, movimento de pedestre, movimento de ciclista, movimento de outros automóveis. São muitos os detalhes que fazem toda a diferença no trânsito, mas que se tornam atitudes automáticas por parte dos condutores.

Porém, com algumas pessoas a situação é diferente. Existem pessoas que sentem pânico ao dirigir, passando por uma verdadeira perturbação ao entrar no carro, já que assumir o volante parece algo arriscado demais.

A ansiedade causada é incontrolável e inevitável: o automóvel apresenta uma ameaça. Tal sensação de medo é paralisadora, prejudicando a vida das vítimas desse pânico.

Quais as causas do medo de dirigir?

Psicólogos e psiquiatras indicam algumas causas como os principais gatilhos desse problema:

Entre outras causas emocionais que podem estar relacionadas ao desenvolvimento do medo de dirigir. Mas, independentemente dos motivos que acarretam esse medo, o tratamento existe e é comprovadamente eficaz.

Quais os Sintomas do medo de dirigir?

É importante pensar que os sintomas podem variar de pessoa para pessoa, mas, os mais comuns incluem:

Qual seria o tratamento para medo de dirigir?

Os Psicólogos

Conheça os psicólogos do nosso consultório, área de atuação, abordagens e especializações.

EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Técnicas de psicologia estão disponíveis para auxiliar as pessoas que sofrem com esse medo a superarem-no. Porém, cada método deve ser pensado de forma particular, ou seja, somente um especialista poderá determinar os próximos passos estando junto ao paciente. Por isso, buscar a ajuda de um psicólogo é fundamental.

Algumas pessoas passam por apenas algumas sessões, estruturando o comportamento para mudar positivamente a forma de pensar e agir, enquanto outras necessitam de um tratamento mais longo para que realmente consigam superar o medo efetivamente.

Portanto, cada caso é um caso que precisa ser analisado de forma isolada. É preciso entender os motivos da insegurança e entender profundamente a raiz do medo.

Em situações mais amenas, alguns cuidados básicos são suficientes para que a vítima consiga assumir o volante. O primeiro passo é manter um treino constante, dirigindo em locais mais calmos, até que o processo se torne mais fácil.

Comece com trajetos menores e estenda com o passar do tempo, anote dez destinos em ordem de dificuldade e se esforce para alcançá-los. O autocontrole é essencial para que o medo seja superado.

Psicólogos afirmam que é fundamental que o paciente se permita errar e entenda que deixar o carro morrer, por exemplo, é um erro simples que pode ser contornado e que até mesmo os condutores mais antigos podem passar por isso.

Em momentos como esse, por exemplo, é importante controlar os pensamentos, mesmo que sintomas como boca seca e mãos tremulas apareçam. Esse desconforto se amenizará com o tempo e a prática. Não se apavore.

Algumas dicas

Guia Completo de Como Selecionar seu Psicólogo

Se você é daqueles que gosta de entender tudo nos mínimos detalhes, então esse guia é para você! No guia completo você vai conhecer todo o processo desde onde procurar e selecionar um psicólogo, como é a primeira consulta, como se preparar para a terapia, como é o processo terapêutico e até como avaliar os resultados.

COMO SELECIONAR O SEU PSICÓLOGO

Para começar, entre no seu carro ainda dentro da garagem e familiarize-se com o ambiente e com a situação. Ajuste o banco, o retrovisor, e sinta-se confortável naquele espaço. Depois ligue o veículo. Na próxima vez, saia da garagem e vá progredindo.

O apoio de um amigo pode ainda fazer toda a diferença. Convide alguém de confiança para acompanhar o seu momento de superação. Mas, atenção: escolha um passageiro capaz de manter a calma e não tente provar nada a ninguém, apenas cumpra o que você precisa fazer. Não crie expectativas, lembre-se que é preciso dar um passo de cada vez.

Crie uma rotina, marque uma frequência para conduzir o carro. Não desista. E se o medo persistir, não esqueça de procurar ajuda de um profissional capacitado.

Psicólogos que atendem pacientes com queixa de Pânico, Medo e Fobia:

Conheça o perfil da cada psicólogo que atende casos de Pânico, Medo e Fobia na página Psicólogos. Você poderá ver as especializações, os textos individuais, além de saber o valor das consultas e agendar sua sessão.

Psicólogos que já estão atendendo presencialmente em São Paulo e Online para todo Brasil

Juliana De Luca

CRP 159535/06

Psicóloga Juliana De Luca

Especialista em Psicologia Analítica, possui cursos de extensão em Terapia Cognitivo Comportamental, Manejo de Estresse e Saúde Mental. Realiza atendimentos de adultos e casais com foco em ansiedade, estresse, depressão, relacionamentos, profissão, conflitos familiares, autoconfiança, luto e autoestima…

Natalia Queiroz

CRP 117294/06

Psicóloga Natalia Queiroz

Especialista em Terapia Cognitiva Comportamental, com foco em terapia individual para adultos, terapia de casal e demandas como ansiedade, conflitos conjugais, estresse, depressão e carreira. Com formação em Inteligência Emocional, cursa especialização em…

Luzia Lobato

CRP 119285/06

Psicóloga Luzia Lobato

Especialista em TCC – Terapia Cognitivo Comportamental e pós-graduada em Saúde Mental. Possui vasta experiência em atendimentos para adultos e casais, com foco em demandas como ansiedade, estresse no trabalho, conflitos familiares, depressão, questões emocionais como autoestima e autoconfiança…

Vitória Appoloni

CRP 143864/06

Psicóloga Vitória Appoloni

Especialista em Análise do Comportamento Aplicada e pós-graduada em Sexualidade Humana, Terapia Sexual e Sexologia, atua em seu consultório particular com demandas de ansiedade, relacionamentos, depressão, terapia de casal, vida profissional…

Letícia Lopes

CRP 168484/06

Psicóloga Letícia Lopes

Pós-graduanda em Saúde Mental pelo CEPPS, possui cursos de extensão em Terapia Cognitivo Comportamental pelo CETCC e em Mindfulness pela PUC-RS. Realiza atendimentos de adultos e casais em demandas como ansiedade, depressão, estresse, luto, relacionamentos, conflitos familiares, profissão…

Vânia Caselli

CRP 139140/06

Psicóloga Vânia Caselli

É pós-graduada e atua com Terapia Cognitivo Comportamental em casos de relacionamentos conjugais, ansiedade, conflitos familiares, estresse, terapia de casal, carreira e profissão, além de formação em Coaching e possuir curso de Mindfulness e Inteligência Emocional…

Confira abaixo alguns textos sobre Síndrome do Pânico, Medo e Fobia:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Psicóloga Responsável
Thaiana Filla Brotto

CRP 06/106524 – 6ª Região

FORMAÇÃO

Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *