Timidez excessiva

Timidez excessiva

A timidez pode ser definida como uma sensação de desconforto ou inibição em situações sociais ou interpessoais que impede a pessoa de correr atrás de seus objetivos, sejam acadêmicos, profissionais ou pessoais.

As situações mais comuns desses casos são as que envolvem figuras de autoridade (professores, chefes, entrevistas de emprego, etc.), encontros românticos ou íntimos, ou apresentar-se em público. Estes tipos de situações, muitas vezes, provocam reações em um ou em todos os seguintes níveis: cognitivos (pensamentos negativos), afetivos (medo da humilhação) e fisiológico (frio na barriga e até mesmo distúrbios intestinais), ou comportamental (perder a fala).

Menos comum do que a timidez situacional – porém muito importante de se compreender – é a forma mais crônica da timidez, que envolve a prevenção e/ou o medo da maioria das situações em que há contato com outros. Esta forma de timidez é muitas vezes descrita por psicólogos e psiquiatras como Fobia Social. A Fobia Social, muitas vezes, leva o paciente a um grau de isolamento, evasão e solidão muito mais generalizada.

Você sofre de timidez excessiva? Confira alguns sinais:

Você se identifica com a situação abaixo?

Um rapaz não foi à aula hoje. Era o primeiro dia do semestre e ele ficou com medo que o professor pedisse aos alunos que se apresentassem. Ele sabia que isso não era tão assustador, mas mesmo assim ele preferiu evitar a situação. Sempre que esse rapaz precisa falar diante de algumas pessoas, sua voz começa a tremer, seu rosto fica vermelho e ele não consegue evitar o sentimento de humilhação. Já que o seu pior pesadelo é falar em público, ele tem evitado realizar a sua monografia obrigatória para a graduação, por medo de enfrentar a banca examinadora. Ele também teme o casamento de seu irmão, já que será o padrinho da cerimônia – mesmo que a data esteja marcada para o ano que vem.

Este rapaz abraçou sua timidez, e viu que seria mais fácil desviar-se dos momentos que o colocam em situações de estresse.

Quais são os eventos que desencadeiam a timidez excessiva:

  • Conhecer novas pessoas;
  • Ser o centro das atenções;
  • Ser assistido enquanto realiza alguma tarefa;
  • Falar ou apresentar-se em público;
  • Ser provocado ou criticado;
  • Falar com figuras importantes ou autoridades;
  • Primeiro encontro amoroso;
  • Fazer ligações telefônicas;
  • Utilizar banheiros públicos;
  • Realizar testes;
  • Comer e beber em público;
  • Falar ou liderar uma reunião;
  • Ir á festas ou outros eventos sociais;

Sintomas emocionais da timidez excessiva:

  • Ansiedade excessiva em situações sociais cotidianas;
  • Preocupação intensa dias, semanas até meses antes de qualquer situação social;
  • Medo extremo de ser julgado e criticado por outras pessoas, principalmente desconhecidas;
  • Medo de que você vai fazer alguma coisa errada em público, causando humilhação;
  • Receio de que as pessoas irão perceber que você está nervoso;

Sintomas físicos da timidez excessiva:

Sintomas comportamentais da timidez excessiva:

  • Evitar situações sociais ao ponto de limitar suas atividades, atrapalhando sua vida;
  • Anular-se ou esconder-se quando está em público, para passar despercebido;
  • Necessidade de sempre levar um acompanhante em qualquer lugar que vá;
  • Recorrer ao álcool ou outras drogas antes de situações sociais;

Atenção! Só porque você, ocasionalmente, fica nervoso em situações sociais, não significa que você tem algum transtorno social ou fobia. Muitas pessoas são tímidas e conseguem enfrentar o dia a dia sem problema algum. Por outro lado, a timidez crônica ou em excesso interfere na sua rotina normal e pode provocar uma enorme angústia.

Por exemplo, é perfeitamente normal sentir um frio na barriga antes de fazer um discurso em público. Mas se você chega ao ponto de se preocupar com isso semanas antes, ou começa a maquinar em sua mente desculpas para faltar ao discurso, sua timidez requer uma atenção especial para que não destrua a sua vida social e profissional.

Tratamento:

A terapia cognitiva comportamental tem sido considerada a melhor forma de tratamento para tais problemas. Essa terapia é baseada na premissa de que seus pensamentos afetam a forma como você se sente, e esses sentimentos afetam seu comportamento. Logo, se você alterar e direcionar seus pensamentos, você se sentirá melhor e reagirá melhor em determinadas situações que causam a timidez. A abordagem do psicólogo geralmente envolve:

Aprender a controlar os sintomas físicos da ansiedade através de técnicas de relaxamento e respiração.

Desafiar os pensamentos negativos que alimentam sua timidez, para, assim, substituí-los por pontos de vista mais equilibrados.

Encarar situações sociais que provocam medo, de forma gradual e sistemática, ao invés de evitá-las.

Terapia em grupo

A terapia em grupo utiliza técnicas como atuação, simulação, gravação e análise, e outros exercícios para trabalhar as situações que fazem o paciente se sentir ansioso no mundo real – sempre guiada sob a supervisão de um psicólogo qualificado. Ao passo que se pratica e prepara-se para estas situações, é possível sentir-se cada vez mais confortável e confiante de suas habilidades sociais, diminuindo a timidez, o pavor e a ansiedade.

Mais uma vez, lembre-se que a timidez é uma característica muito comum, porém muitas vezes pode ser dolorosa, podendo ser tratada e superada por completo. Não importa o nível da sua timidez, sempre há um jeito de ganhar mais confiança para encarar os desafios da vida.

Quem leu esse texto também se interessou por:

Autora: Thaiana F. Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.