Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Como tratar um distúrbio alimentar

Distúrbio Alimentar e Psicologia

Entenda como tratar um distúrbio alimentar seguindo algumas dicas

Um distúrbio alimentar, ou também conhecido como compulsão alimentar, é um tipo de transtorno que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Segundo os estudos da psicologia, esse transtorno tem algumas causas visíveis e seu tratamento é fácil de realizar se diagnosticado com certa antecedência. Veja agora como tratar um distúrbio alimentar!

O que é um distúrbio alimentar?

Trata-se de um transtorno mental em que a pessoa passa a ter um relacionamento não saudável com os alimentos. Ela pode, por exemplo, sentir uma grande necessidade de ingerir alimentos de forma constante, mesmo quando ela não está com fome.

Normalmente, a pessoa ingere grandes quantidades de alimentos em muito pouco tempo. Pode ocorrer também o contrário, em que a pessoa deixa de ingerir alimentos por causa de transtornos psicológicos.

Tipos de distúrbios alimentares

Entre os principais tipos de distúrbios alimentares podemos encontrar:

  • Anorexia nervosa;
  • Bulimia;
  • Transtorno de Compulsão Alimentar (TCA);
  • Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP);
  • Vigorexia.

Causas do distúrbio alimentar

Entre as possíveis causas de um transtorno alimentar, podemos citar:

Os Psicólogos

Conheça os psicólogos do nosso consultório, área de atuação, abordagens e especializações.

EQUIPE DE PSICÓLOGOS
  • Dietas feitas de forma equivocada, em geral reproduzidas nas mídias, sem consulta médica;
  • Ansiedade e depressão, já que comer equivaleria a compensar esses problemas;
  • Problemas de autoimagem e, neste caso, surgem a anorexia, o contrário da ingestão;
  • Outros problemas emocionais, como traumas, fobias, transtorno obsessivo-compulsivo, questões hormonais, entre outros;
  • Estresse, da mesma forma que a ansiedade, este problema leva, além da compulsão alimentar, certos vícios;
  • Baixa autoestima.

Como tratar um distúrbio alimentar?

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Para saber como tratar um distúrbio alimentar de forma simples, antes de consultar um profissional, procure sempre hidratar o seu organismo.

Mas lembre-se, a ajuda de um psicólogo, e não a automedicação são fundamentais para um bom resultado.

Em geral, o tipo de diagnóstico e exames de como tratar um distúrbio alimentar seguem a direção de algumas áreas da saúde, tais como: clínica médica geral, nutrologia, psiquiatra, psicoterapia, endocrinologia, cardiologia, entre outras.

Como tratar um distúrbio alimentar exige, uma atenta observação de todo o histórico da pessoa, para que se possa realizar um diagnóstico, através de seus sintomas, o profissional indicará um tratamento específico.

Guia Completo de Como Selecionar seu Psicólogo

Se você é daqueles que gosta de entender tudo nos mínimos detalhes, então esse guia é para você! No guia completo você vai conhecer todo o processo desde onde procurar e selecionar um psicólogo, como é a primeira consulta, como se preparar para a terapia, como é o processo terapêutico e até como avaliar os resultados.

COMO SELECIONAR O SEU PSICÓLOGO

O profissional levantará a possibilidade de utilizar medicamentos, suplementos, tipos de terapias e uma série de atividades que a pessoa deverá executar, sob acompanhamento regular. Todo o diagnóstico será baseado nos relatos da pessoa, de seus familiares e demais informações acerca da sua saúde mental e física.

Assim, o profissional orientará a pessoa a realizar exames, a fim de avaliar o estado de saúde do paciente. De qualquer forma, como tratar um distúrbio alimentar envolve diversas consultas e exames, tal tratamento incorpora ambos fatores físicos e emocionais.

Se a pessoa com o transtorno ignorar o tratamento, podem ocorrer complicações sérias como a obesidade, problemas cardíacos, diabetes tipo 2, alteração dos níveis de colesterol, bulimia e depressão crônica.

O tema do transtorno e compulsão alimentar é muito importante para os dias de hoje, e todos os psicólogos chamam a atenção especial para as suas causas.

Assim, a ajuda da família para as pessoas que tem algum tipo de transtorno alimentar é muito importante. A pessoa necessita estar consciente de que a sua luta contra o problema não se fará de forma isolada.

Valor Consulta Psicóloga Renata






Não quero informar nome ou e-mail





Não existe vergonha sobre seu corpo, a família não emitirá julgamentos morais, logo, esse primeiro passo é válido ao reconhecer a forma como a pessoa é. A psicoterapia é um tratamento eficaz que ajuda de forma satisfatória o tratamento do paciente ao perceber seus próprios gatilhos que o levaram a comer ou não, de forma compulsiva.

Caso, você esteja lutando contra esse problema alimentar, saiba que não está sozinho. Em nosso site temos muitas dicas e orientações escritas pelos melhores psicólogos para saber como tratar um distúrbio alimentar.

Compartilhe essas e outras informações para seus conhecidos!

Se você gostou desse texto, pode se interessar por esse também: A obesidade em si não é uma doença.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Como conviver com pessoas com problemas psicológicos graves

    Como conviver com pessoas com problemas psicológicos graves
    Conviver com pessoas com problemas psicológicos deve ser aprendido para evitar complicações, consultório da psicóloga em São Paulo, Brooklin
  • Autossabotagem

    Autossabotagem
    Um comportamento auto destrutivo combinado com pensamentos negativos leva a auto sabotagem. Acesse, saiba mais e nos escreva para tirar uma dúvida.
  • Inferioridade

    Inferioridade
    Inferioridade é um assunto comum nos consultório de psicologia. Sentir-se inferior pode se caracterizar por inúmeras razões. É um assunto bastante delicado e que precisa ser tratado com cautela.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana Filla Brotto

CRP 06/106524 – 6ª Região

FORMAÇÃO

Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.