Sexualidade

Perda do Desejo Sexual?

Sexualidade com consultório do psicólogo em São Paulo

Atualmente quando falamos de sexualidade, parecemos tratar de um assunto banal, já que o mesmo ganhou seu espaço na mídia e nas redes sociais, e parece que estamos em um momento de extrema sexualização.

Então será que as pessoas ainda sofrem com esse tipo de problema?

No consultório percebemos que sim, e os problemas são os mais diversos. A disfunção do desejo sexual que atinge homens, mulheres e casais, nada mais é do que a perda do desejo sexual.

Isso traz grandes prejuízos ao indivíduo como angústia, ansiedade, tristeza; e para o casal pode resultar em afastamento, traições, brigas e até separação.
Somos influenciados durante a nossa vida por nossa cultura, religião, família e isso pode muitas vezes nos ajudar ou nos prejudicar durante uma relação sexual.

Isso somado a fatores pessoais são as causas psicológicas mais comuns que podem ocasionar essa disfunção. Existem também outros fatores mais graves, como abuso sexual, violência e maus tratos.

Em alguns casos essas causas são orgânicas, sendo necessário um acompanhamento médico. Porém mesmo nesses casos às vezes o problema já afetou tanto o emocional do indivíduo ou a estrutura da relação que a terapia passa a ter um papel essencial no tratamento.

Pensando no casal, muitas vezes a perda do desejo é unilateral e faz a outra pessoa perder sua autoestima, se sentir culpada da falta de desejo do parceiro e perdida em relação a que atitudes tomar.

Outro quadro muito comum são casais que já estão juntos há muito tempo e com o passar dos anos vão colocando o sexo em segundo plano, até que percebem que isto está fazendo falta na relação e não sabem mais como reencontrar o desejo sexual.

Para o homem a perda do desejo sexual não é socialmente bem aceita, o que dificulta ainda mais a busca por tratamento. Dentre as causas estão o estresse no trabalho, problemas familiares, medo do desempenho e baixa estima relacionada à aparência. Tais problemas podem tanto surgir em certa fase da vida, como podem sempre ter existido e se tornarem mais críticos em determinados momentos.

As mulheres buscam a terapia com mais frequência muitas vezes, não sendo essa sua primeira queixa, mas ela acaba aparecendo logo como um sofrimento importante. Muitas delas relatam dificuldade de lidar com a própria sexualidade, de não saberem ser assertivas durante a relação, o medo da rejeição, medo de um mau desempenho e vergonha do próprio corpo.

A terapia comportamental pode, a partir da análise funcional, ajudar a identificar fatos e situações em sua vida individual ou do casal que influenciaram no desenvolvimento do problema e então propor estratégias para reverter este quadro, melhorando assim a capacidade sexual e o equilíbrio emocional.

Autora: Ingrid Machado (Psicóloga CRP 06/98165)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.