Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Transtornos incapacitantes para o trabalho: motivados por estresse e ansiedade?

Transtornos incapacitantes para o trabalho

Conheça os transtornos incapacitantes para o trabalho que mais causam afastamento

Casos relacionados a transtornos metais incapacitantes para o trabalho têm despertado a atenção de psicólogos, Justiça do Trabalho e Empresas em todo o mundo.

A preocupação não é a toa. Os casos são frequentes e agravados pela competitividades e ambientes de trabalho inadequados.

O assédio moral, rotinas estressantes, pressão no cumprimento de metas, relação com a chefia, jornadas extensas e atividades abusivas costumam desencadear problemas relacionados com o trabalho.

A exposição a riscos de vida, eventos traumáticos e ainda o consumo de álcool, psicoativos e medicamentos também podem ser responsáveis pelo surgimento de transtornos mentais incapacitantes para o trabalho, causando danos eventuais e até permanentes.

A preocupação não se restringe a profissionais de psicologia. Desde 2012 há um alerta da Organização Mundial da Saúde – OMS para casos relacionados a problemas de saúde mental resultantes do trabalho.

Neste alerta também são indicadas diversas ações paliativas para tornarem-se parte do cotidiano de empresas de médio e grande porte.

Você conhece os principais sintomas causados pelo surgimento dessas patologias? Tem sentido esgotamento físico e mental frequentes?

Já evitou ir ao trabalho para evitar reincidência de situações abusivas? Então você pode estar sofrendo com transtornos mentais incapacitantes para o trabalho e isso requer muita atenção e ajuda profissional.

Transtornos mentais incapacitantes para o trabalho estão co-relacionados com Ansiedade e Estresse

Os Psicólogos

Conheça os psicólogos do nosso consultório, área de atuação, abordagens e especializações.

EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Ansiedade e estresse estão diretamente relacionados e parecem fazer parte do dia-a-dia, mas não deveriam.

A exposição a ambientes nocivos pode resultar em depressão e angústias. Esses sintomas persistindo por muito tempo liberam mediadores químicos que resultam no surgimento de problemas cardiovasculares.

Os principais sinais são a insônia, interrupção do sono, rigidez nas relações e impaciência. Em alguns casos a dor de cabeças é recorrente.

Fique alerta se sentir formigamentos, mal estar, dores e cansaço excessivo. Esses sintomas podem provocar ou indicar uma doença mais grave.

Síndrome de Burnout não está relacionada com competência

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

A Sindrome de Burnout está diretamente ligada à exposição aos estresse permanente no ambiente de trabalho.

Muitas vezes esse comportamento é confundido com pessoas reconhecidas e chamadas de “workahollics”. Porém, a Síndrome de Burnout é um transtorno grave, e está acompanhada de muito sofrimento e prejuízo físico, material e mental para o paciente.

Sinais de esgotamento, raiva ou atitudes explosivas são sintomas relacionado a enfermidade, que tem aspecto evolutivo, e leva a casos graves de depressão, causando transtornos mentais incapacitantes para o trabalho.

Síndrome do Pânico é um dos mais comuns transtornos mentais incapacitantes para o trabalho

Valor consulta atendimento online e presencial psicóloga Letícia






Não quero informar nome ou e-mail





Casos de Síndrome do Pânico estão cada vez mais frequentes. Trata-se de um dos transtornos mentais incapacitantes para o trabalho mais comuns.

Isso ocorre quando uma pessoa foi exposta a situações excruciantes, passando a evitar situações rotineiras, provocada por um medo exagerado.

Ela se caracteriza por crises pontuais, que resultam na incapacidade de retornar a ambientes relacionados com o caso.

Entre os motivos para o surgimento da doença estão a submissão excessiva, abusos morais, frustrações, falta de limite e também por assumir uma carga exagerada de atividades.

A Síndrome do Pânico o acompanhamento de um especialista da área de psicologia ou psiquiatria.

>>> Leia também: bullyng corporativo

Previna-se e busque apoio psicológico

A prevenção continua sendo a melhor maneira de evitar o surgimento de doenças causadas por ambientes de trabalho nocivos.

Diversos gestores e algumas empresas estão trabalhando para reduzir a incidência de casos relacionados com transtornos mentais incapacitantes para o trabalho.

Guia Completo de Como Selecionar seu Psicólogo

Se você é daqueles que gosta de entender tudo nos mínimos detalhes, então esse guia é para você! No guia completo você vai conhecer todo o processo desde onde procurar e selecionar um psicólogo, como é a primeira consulta, como se preparar para a terapia, como é o processo terapêutico e até como avaliar os resultados.

COMO SELECIONAR O SEU PSICÓLOGO

Por isso, é importante reconhecer os sintomas e buscar ajuda de um psicólogo para dar início a uma terapia antes que a situação cheque a um limite.

Treinamentos motivacionais, atenção aos detalhes, escuta ativa e reconhecer seus limites e de sua equipe é fundamental para evitar complicações e patologias que podem surgir no ambiente de trabalho.

Esse é uma grande desafio comum que resulta em sucesso profissional e corporativo.

São consideradas violências no trabalho o abuso físico, emocional, psicológico e moral, que prejudica diretamente a saúde, bem-estar e segurança de colaboradores.

Ao perceber situações que configurem violência ou caso esteja exposto, procure ajuda, reportando-se aos gestores competentes e área de Recursos Humanos.

Esse artigo foi útil? Pode ser que você se interesse por esse aqui também: Insatisfação no Trabalho

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Thaiana Filla Brotto

Thaiana é psicóloga e CEO do consultório Psicólogos Berrini. Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC. Thaiana Brotto é registrada no Conselho Regional de Psicologia sob o número 06/106524

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *