Mobbing no trabalho: defenda-se do assédio psicológico

Mobbing no Trabalho

O mobbing no trabalho já é uma realidade que afeta e causa muitos danos ao trabalhador. Saiba como identificar o abuso e como se defender destas atitudes.

O bullying tornou-se conhecido popularmente quando as mídias passaram a divulgá-lo constantemente. Apesar de serem muito próximos, o assédio moral, bullying e o mobbing, para os psicólogos eles são parte de uma realidade que condiciona novas formas de pensar o ambiente de trabalho, suas relações e principalmente, os padrões comportamentais nocivos da sociedade moderna.

Seja por meio das atitudes por parte dos chefes, gerentes ou até mesmo de colegas de trabalho, o mobbing tende a se desenvolver de várias formas. Ele seguie um padrão semelhante ao assédio moral e o bullying cuja relação de poder e domínio continuam existindo. A submissão, a humilhação, a desvalorização e a ofensa, são práticas características deste tipo de assédio.

Realidade do mobbing no trabalho em nosso país

Infelizmente, o Brasil ainda não possui uma ampla e irrestrita proteção e defesa contra a maioria dos casos de abuso à integridade do trabalhador. Ainda não há leis específicas e aplicações levadas a sério. Pode levar anos para que estes padrões comportamentais sejam percebidos nos ambientes de trabalho, nos lares e demais espaços públicos. No entanto e apesar das legislações ainda não fornecerem completa proteção às vítimas, é importante sabermos como detectar estas condutas e como nos defendermos delas.

>>>Leia também: Transtornos mentais incapacitantes para o trabalho.

Segundo os psicólogos, estas condutas consistem tática da psicologia do terror, ou seja, da exteriorização de suas ideias hostis a determinados grupos ou indivíduos, de forma a causar moléstia, dor, sofrimento e humilhação. A continuidade e a exposição a estes fatores de agressão podem, na maioria dos casos, levar as vítimas de mobbing no trabalho a uma exposição intensa de sofrimento chegando a ser a causa de transtornos.

Tipos de agressões

Segundo os psicólogos, há quatro principais formas de agressões:

Isolar e alienar a vítima de todo um grupo, causando desconforto inicial pela indiferença.

Criar mecanismos de crueldade em relação à imagem ou estima da pessoa perante os outros ou mesmo isoladamente.

Piorar e fazer ruir a estabilidade emocional da pessoa nos ambientes onde ocorrem estas condutas, impossibilitando a vítima em agir.

Investir diretamente contra a pessoa, de forma a causar violência física, emocional ou psicológica.

A maioria das vítimas de mobbing no trabalho são escolhidas pelo seu agressor por inúmeras razões, que vão desde constituição e biotipo físico, características psicológicas específicas. Pessoas melancólicas e introspectivas, introvertidas e reservadas, excêntricas, “impopulares”, de orientação sexual diferente ou de cor/etnia, entre outras são alvos preferidos desse tipo de agressão.

Consequências do mobbing

O mobbing no trabalho teria sido uma das primeiras formas estudadas pela psicologia referente ao campo do assédio. Mobbing em inglês significa “tumultuando” ou “conflitando”. Da mesma forma como as demais formas de agressão, ele causa danos graves à saúde mental do indivíduo. Ele pode desenvolver consequências e sintomas em toda a sua vida, prejudicando a sua capacidade de relacionar-se com outras pessoas, de ter uma vida normal, sucesso em seu trabalho ou estudo. Ainda por cima, é comum que a primeira consequência do mobbing seja a depressão.

Este fenômeno vem se tornando emergente em nossa sociedade. Ele tem demandado tratamentos cada vez mais específicos. As condutas chamadas “abusivas”, de humilhação, palavras e gestos que são proferidas contra a vítima, surgem na escala da psicologia como uma das maiores preocupações da atualidade.

Outras consequências do mobbing no trabalho comuns são:

  • Desgaste emocional à contínua exposição;
  • Danos físicos;
  • Depressão;
  • Fuga para os vícios;
  • Isolamento e comportamentos antissociais;
  • Instabilidade nas relações de trabalho;
  • Medo e fobia;
  • Stress;
  • E muito mais.

Como se defender?

No início, a vítima poderá não entender ou levar a sério os ataques de assédio. Com o passar do tempo, as agressões vão se tornando cada vez mais frequentes. O agressor irá variar suas táticas a fim de atingir a vítima com mais eficácia.

Quanto mais cedo a pessoa puder reconhecer que está sendo vítima de mobbing no trabalho, melhor. Assim, as medidas tomadas serão mais efetivas e em um espaço de tempo menor. A ajuda de um psicólogo será muito importante para a vítima conseguir enfrentar estas situações.

No nível jurídico ou laboral, também é recomendável entrar em conato com os superiores, informando-lhes —com apoio jurídico e de pessoas que estão por dentro da legislação sobre assédio moral — os fatos que ocasionaram o mobbing no trabalho.

Se nada adiantar, deve-se acionar os órgãos responsáveis pelo bem-estar do trabalhador como os sindicatos, departamentos de segurança e relações humanas. Muitas pessoas têm medo de denunciar e sofrerem represálias. Mas é importante entender que, para esses casos, o anonimato é um direito do trabalhador e as empresas devem assegurá-lo.

O mobbing no trabalho afeta todos os países e pessoas de todas as classes sociais, gêneros etc. E apesar de estarmos ainda longe de uma legislação mais eficaz no que concerne esse quesito, ela deve ser acionada caso a agressão continue. E é também importante que a vítima busque apoio de psicólogos para retomar o controle de sua vida.

Gostou do artigo? Você pode também querer ler: Bulying Corporativo.

Autora: Thaiana F. Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.