Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Como respeitar o espaço de cada um nos relacionamentos

Categoria dos serviços da psicóloga: terapia de casal, relacionamento conjugal, relacionamentos, casamento, divórcio
Respeitar o espaço de cada um nos relacionamentos

Vocês namoravam e depois decidiram morar juntos. Passaram, então, a dividir o mesmo guarda-roupa, o mesmo banheiro e a mesma cama. Tudo parecia um conto de fadas, só que não!

De acordo com psicólogos especializados em Terapia de Casal, há muitas atividades que podem e devem ser feitas em conjunto, mas é saudável que as duas pessoas tenham tempo para dedicar a si mesmas.

Valor consulta atendimento online e presencial psicóloga Vânia






Não quero informar nome ou e-mail





A psicologia vai auxiliar na comunicação entre os parceiros, ajudar a compreender os objetivos individuais dentro da relação, a aprender a lidar com as diferenças e costumes de cada um e a compreender as necessidades do outro.

Participar intimamente da vida de uma pessoa requer boas doses de respeito, de confiança e talvez abrir mão de alguns hábitos.

O tratamento com um psicólogo ajuda a você ter controle necessário para não invadir o espaço do outro e acabar magoando ou prejudicando o relacionamento.

Relacionamento: como respeitar o espaço de cada um naturalmente

Além da paixão, do amor e da aceitação do fato que ninguém é perfeito, existem outros pilares importantes, que juntos sustentam o relacionamento e o espaço de cada um. Veja alguns deles:

  • Confiança: relacionamentos fortes falham se não houver confiança de ambas as partes. Seja honesto para manter a confiança.
  • Amor: é o pilar do relacionamento. É o sentimento que traz a felicidade e a superação.
  • Respeito mútuo: respeite a outra pessoa, suas ideias, tradições, cultura, costumes e crenças. Vocês são duas personalidades diferentes, com origens diferentes e a ligação em comum são os laços do amor.
  • Compreensão: em vez de impor o que você quer, entenda os limites da pessoa e seu ponto de vista.
  • Habilidade de comunicação: comunique seus sentimentos e pensamentos para o seu parceiro. Isso mantém os laços fortes.
  • Sensibilidade: seja sensível para entender o que faz a outra pessoa feliz ou triste. Sinta e compartilhe as alegrias ou dores de seu parceiro.
  • Não tente mudar seu parceiro: todos têm suas qualidades únicas, independentemente se gosta ou não, nunca diga à pessoa para mudar. Aceite-a como ela é.
  • Admire as qualidades e supere as falhas. Se existir algum hábito ruim como fumar ou beber, que na verdade é uma prática que ameaça a vida do seu parceiro, você deve tentar ajudá-lo a superar o problema, mas não de forma exigente.
  • Gestos carinhosos: demonstre carinho em pequenas ações, deixando um recado diferente na geladeira, preparando o prato predileto do parceiro ou outra atitude que vá agradar quem você ama.
  • Mantenha o humor: é o melhor jeito de melhorar o clima depois de um dia cansativo. Afinal, quem é que gosta de ficar ao lado de alguém mal humorado?
  • Dê liberdade para seu parceiro: todo mundo precisa de seu próprio espaço, de sair com os amigos ou fazer outras atividades sozinho.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Dica de como escolher um namorado

    Como escolher um namorado - Psicologia
    Dicas do psicólogo de como escolher um namorado que seja bom para mim e para meu dia a dia, consultório da psicóloga em São Paulo, Brooklin
  • Terapia de casal para namorados

    Terapia de casal para namorados
    Terapia de casal para namorados é mais comum do que se imagina. Namorados costumam viver conflitos, dilemas, ciúmes e incertezas e a terapia de casal pode ajudar.
  • Relacionamento Abusivo

    Relacionamento Abusivo
    Um relacionamento abusivo pode ser definido como um comportamento concebido para controlar e subjugar outro ser humano através do uso do medo, humilhação, intimidação, culpa, coerção ou manipulação.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana Filla Brotto

CRP 06/106524 – 6ª Região

FORMAÇÃO

Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *