Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Como respeitar o espaço de cada um nos relacionamentos

Categoria dos serviços da psicóloga: terapia de casal, relacionamento conjugal, relacionamentos, casamento, divórcio
Respeitar o espaço de cada um nos relacionamentos

Vocês namoravam e depois decidiram morar juntos. Passaram, então, a dividir o mesmo guarda-roupa, o mesmo banheiro e a mesma cama. Tudo parecia um conto de fadas, só que não!

De acordo com psicólogos especializados em Terapia de Casal, há muitas atividades que podem e devem ser feitas em conjunto, mas é saudável que as duas pessoas tenham tempo para dedicar a si mesmas.

Valor Consulta Psicóloga Ingrid






Não quero informar nome ou e-mail





A psicologia vai auxiliar na comunicação entre os parceiros, ajudar a compreender os objetivos individuais dentro da relação, a aprender a lidar com as diferenças e costumes de cada um e a compreender as necessidades do outro.

Participar intimamente da vida de uma pessoa requer boas doses de respeito, de confiança e talvez abrir mão de alguns hábitos.

O tratamento com um psicólogo ajuda a você ter controle necessário para não invadir o espaço do outro e acabar magoando ou prejudicando o relacionamento.

Relacionamento: como respeitar o espaço de cada um naturalmente

Além da paixão, do amor e da aceitação do fato que ninguém é perfeito, existem outros pilares importantes, que juntos sustentam o relacionamento e o espaço de cada um. Veja alguns deles:

  • Confiança: relacionamentos fortes falham se não houver confiança de ambas as partes. Seja honesto para manter a confiança.
  • Amor: é o pilar do relacionamento. É o sentimento que traz a felicidade e a superação.
  • Respeito mútuo: respeite a outra pessoa, suas ideias, tradições, cultura, costumes e crenças. Vocês são duas personalidades diferentes, com origens diferentes e a ligação em comum são os laços do amor.
  • Compreensão: em vez de impor o que você quer, entenda os limites da pessoa e seu ponto de vista.
  • Habilidade de comunicação: comunique seus sentimentos e pensamentos para o seu parceiro. Isso mantém os laços fortes.
  • Sensibilidade: seja sensível para entender o que faz a outra pessoa feliz ou triste. Sinta e compartilhe as alegrias ou dores de seu parceiro.
  • Não tente mudar seu parceiro: todos têm suas qualidades únicas, independentemente se gosta ou não, nunca diga à pessoa para mudar. Aceite-a como ela é.
  • Admire as qualidades e supere as falhas. Se existir algum hábito ruim como fumar ou beber, que na verdade é uma prática que ameaça a vida do seu parceiro, você deve tentar ajudá-lo a superar o problema, mas não de forma exigente.
  • Gestos carinhosos: demonstre carinho em pequenas ações, deixando um recado diferente na geladeira, preparando o prato predileto do parceiro ou outra atitude que vá agradar quem você ama.
  • Mantenha o humor: é o melhor jeito de melhorar o clima depois de um dia cansativo. Afinal, quem é que gosta de ficar ao lado de alguém mal humorado?
  • Dê liberdade para seu parceiro: todo mundo precisa de seu próprio espaço, de sair com os amigos ou fazer outras atividades sozinho.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • 5 dicas para melhorar a confiança no relacionamento

    Dicas para melhorar a confiança no relacionamento
    Ter confiança no relacionamento é algo difícil à primeira vista, mas segundo psicólogos é possível de realizar. Confira as dicas.
  • Esposa Controladora

    Esposa Controladora
    Uma esposa controladora pode prejudicar a relação do casal, mas saiba que há o que pode ser feito. Pequenas ações de cada um dos parceiros poderão ajudar
  • Conheça os principais sinais de traição

    Conheça os principais sinais de traição
    Os psicólogos nos alertam que precisamos entender os sinais de traição, antes que se tornem difíceis de lidar. Saiba como identificar os sinais de traição.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana Filla Brotto

CRP 06/106524 – 6ª Região

FORMAÇÃO

Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.