A Abordagem Psicanalítica

Compreendendo a abordagem psicanalítica e seu funcionamento

Todos nós, em algum momento, já passamos por situações conflitantes em nossas vidas. Situações em que não entendemos os nossos sentimentos e emoções, em que não vemos saída, em que tudo o que nos resta são dúvidas e desconfianças. Para nos ajudar a resolver todos estes questionamentos e encontrar razões para esses sentimentos é que existe o psicólogo. Ele é o profissional que, através da abordagem psicanalítica, ajuda as pessoas na busca pelo autoconhecimento.

Como ocorre a abordagem psicanalítica?

A psicanálise preocupa-se em entender como funciona a mente humana, partindo do princípio de que muitos dos processos psíquicos são inconscientes. Na abordagem psicanalítica, nossas emoções e atitudes são o resultado de fatores dos quais não temos consciência.

O paciente é levado a refletir e se enxergar de outra maneira durante a abordagem psicanalítica. Com o auxílio do psicólogo, durante as sessões de análise, o paciente passa a conhecer melhor a própria mente e a identificar a razão de seus sentimentos, conflitos e emoções.

A pessoa é vista como um todo na abordagem psicanalítica. Não são considerados somente os sintomas e circunstâncias atuais, mas é feito um acompanhamento muitas vezes durante anos, observando o cotidiano do paciente e suas reações diante de várias situações e, também, suas relações interpessoais.

Entendendo o problema e identificando sua origem

Quando ouvimos falar em psicanálise, logo nos vem em mente o retorno ao passado para entender o presente. Porém, nem sempre acontecimentos vividos na infância ou a influência dos pais têm reflexos diretos em nossas atitudes. É necessário entender o problema e identificar a origem, se remete ao passado ou pertence ao presente e tratá-lo da forma correta, sempre respeitando as condições do paciente em falar sobre determinado assunto.

O tratamento psicanalítico não se propõe somente a tratar de distúrbios psíquicos, mas também é válido para aquelas pessoas que procuram se conhecer melhor e buscam novas perspectivas.

O papel do psicólogo

Outra associação que fazemos ao pensar em psicanálise é a imagem do paciente no divã em conversa com o psicólogo. Nem sempre é exatamente assim. O paciente senta numa poltrona ou cadeira confortável e fala frente a frente com o psicólogo. Tudo baseado em uma relação de respeito e confiança entre os dois. O diálogo é a principal ferramenta para a abordagem psicanalítica.

O psicólogo leva o paciente a se voltar para dentro e descobrir no inconsciente a razão para seus sofrimentos psíquicos, suas atitudes e sensações. Desta forma, ele colabora para que o objetivo da abordagem psicanalítica seja alcançado. Psicólogo e paciente não precisam necessariamente se tornar amigos. Porém, para o tratamento ser eficaz, é importante que a relação seja próxima, principalmente no que se refere à confiança.

Ajustando comportamentos

É fundamental que haja sinceridade e disponibilidade por parte do paciente para falar livremente sobre situações de sua vida, seus sentimentos, suas fantasias, sua história. Cabe ao profissional ouvir atentamente e desvendar o que leva o paciente a apresentar certos desequilíbrios.

A partir da identificação da origem de uma determinada emoção ou atitude, inicia-se o tratamento para ajustar o comportamento e, assim, aliviar o sofrimento psíquico do paciente. A terapia leva o paciente, na maioria das vezes, a resultados duradouros e melhora significativamente a qualidade de vida dele.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Como lidar com o luto

    Como lidar com o Luto
    A morte é algo natural da vida, entretanto, muitas vezes o ser humano encontra-se perdido, sem saber como lidar com o luto. Acesse e saiba mais.
  • Juventude

    Nos dias de hoje nos deparamos diversas vezes com jovens que aparentam estar disperdiçando suas vidas inteiras. Acesse e entenda a juventude de hoje em dia.
  • Insatisfação Feminina

    Muitas vezes nos deparamos com a insatisfação constante do sexo feminino em relação a atitudes e pensamentos. Para entender melhor isto, confira o artigo.

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.