Newsletter Gratuita
Assine Aqui

6 dicas de como lidar com pessoas invejosas no trabalho

Dicas de ligar com pessoas invejosas no trabalho

Talvez um dos sentimentos mais complexos que temos para lidar no trabalho e fora dele, seja a inveja. Um misto de desejo e ódio é internalizado por quem sente inveja e se reflete de diversas maneiras.

Costuma-se dizer que ela faz mais mal para pessoas invejosas do que para as invejadas. No entanto a psicologia alerta que evitar conflitos na vida pessoal e profissional é fundamental para o sucesso e a qualidade de vida.

Aprenda a driblar pessoas invejosas no trabalho com categoria

Quando falamos de pessoas invejosas no ambiente de trabalho, é crucial redobrar o cuidado e buscar desenvolver um relacionamento saudável com esse tipo de pessoa. Não significa que seu colega sentirá inveja de você o tempo todo.

Mas em situações específicas ele pode querer estar no teu lugar e por não conseguir lidar com isso, irá prejudicar, direta ou indiretamente, sua carreira.

Valor Consulta Psicóloga Vânia






Não quero informar nome ou e-mail





O crescimento profissional ou reconhecimento da chefia costuma ser um gatilho para despertar a inveja de colegas. Acaba assim ocorrendo um movimento natural de afastamento e rixas, pois o sentimento de inveja fará eles competirem em algum nível.

Esse sentimento acaba trazendo muito sofrimento para o invejado e para o invejoso. Sendo assim, o resultado é sempre o mesmo: a vitória de um será a desgraça de outro.

Mas como lidar com a inveja no ambiente de trabalho? Como neutralizar pessoas invejosas? Como evitar conflitos e problemas ao lidar com pessoas que sentem inveja de você? Está com inveja de algum colega?

Reunimos algumas dicas para ajudar a lidar com situações como essas e tirar o melhor proveito desse sentimento.

1) Inveja “branca” x inveja tóxica

Identifique se você está sendo alvo de uma inveja nociva ou se pode se tornar um exemplo para ser admirado. Buscar aliados e colaborar com os colegas multiplicando boas práticas para alcançar o sucesso pode ajudar a reverter um sentimento ruim para um sentimento construtivo.

Procure dar chances para que a pessoa melhore e se desenvolva. Não desista de ter um bom relacionamento com os colegas de trabalho.

2) Pessoas invejosas querem progredir

Na maioria das vezes quem sente inveja quer progredir na carreira e chegar ao sucesso. Assim pode ser difícil lidar com com o sucesso de colegas, que pode ser compreendido como um fracasso pessoal.

No entanto, a melhor maneira de progredir na carreira é que surjam oportunidades de crescimento. Assim, se você for promovido, pode ajudar seu colega a perceber que pode ser o próximo e a melhor maneira para obter esse resultado.

>>>> Leia também: Sentir-se Incapaz

3) Evite comportamentos antiprofissionais com os colegas

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Evite confronto no ambiente de trabalho. Evite bater de frente com um invejoso, ele fará de tudo para prejudicá-lo, pois acredita que para ter o que você tem, você precisa perder. Não entre nesse jogo.

Se achar necessário conversar com seu gestor, faça isso de maneira discreta, sem comprometer o invejoso. Ser leal é fundamental, até com quem está trapaceando.

4) Evite fofocas, brincadeiras nocivas e bullying

Evite reproduzir comportamentos nocivos no trabalho. Brincadeiras podem ser mal interpretadas e o bullying compromete negativamente o clima corporativo.

Esses comportamentos são mal vistos e no futuro você pode se prejudicar.

Busque agir com humanidade, pois muitas vezes quem sente inveja de você, pode estar passando por um período de desmotivação. Não seja influenciado por sentimentos negativos e quebre esse padrão.

5) Identifique com maturidade quem são as pessoas invejosas

Guia Completo de Como Selecionar seu Psicólogo

Se você é daqueles que gosta de entender tudo nos mínimos detalhes, então esse guia é para você! No guia completo você vai conhecer todo o processo desde onde procurar e selecionar um psicólogo, como é a primeira consulta, como se preparar para a terapia, como é o processo terapêutico e até como avaliar os resultados.

COMO SELECIONAR O SEU PSICÓLOGO

Procure identificar quem está agindo ou manifestando inveja de você. Nem sempre interpretamos corretamente o que se passa com o outro. O diálogo costuma ser funcional nesses casos.

Se for necessário, converse com seu gestor e se não for possível resolver internamente, procure o psicólogo no trabalho ou algum colaborador da área de Recursos Humanos.

A inveja normalmente é reflexo de baixa autoestima e complexo de inferioridade e isso faz com que se sinta frustração por ter as mesmas chances que o outro. Pessoas invejosas tendem a ter um percepção distorcida da realidade e idealizar a vida do outro.

Reconhecer os talentos de quem sente inveja, pode reverter o quadro. Caso não obtenha resultados positivos, é indicado recomendar um tratamento psicológico, pois a inveja é prejudicial para quem sente.

Esse artigo foi útil? Pode ser que você se interesse por esse aqui também: Motivação no Trabalho

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Como planejar o seu cotidiano

    Como planejar o seu cotidiano
    Saber planejar e organizar é o primeiro passo para que qualquer atividade ocorra da melhor maneira. Seja um evento importante, festa, apresentação, entrevista de emprego ou então tarefas cotidianas.
  • Insatisfação no Trabalho

    Insatisfação no Trabalho
    Está se sentindo esquecido, ou até diminuido em relação aos outros colegas? A insatisfação no trabalho é normal hoje em dia. Confira o que diz a psicóloga
  • Terapia para Adolescentes

    Terapia para Adolescentes
    Terapia para adolescentes pode ser muito importante em alguns casos. Adolescência é uma fase delicada, de transição e novas descobertas. Entenda.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana Filla Brotto

CRP 06/106524 – 6ª Região

FORMAÇÃO

Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.