Limites

Limites em Casa, Trabalho, com Amigos e Filhos

Um dos questionamentos que ouço dentro do consultório é a respeito de limites. Limites dentro de casa, limites no trabalho, limites na educação com os filhos, limites com os amigos, entre outros. Até onde ir para não ser prejudicado? É possível impor limites aos outros? Acredito que impor pode parecer um tanto exigente. Porém, mostrar esses limites, lembrar aos outros que há um espaço entre uma pessoa e outra existe. E por muitas vezes, são invisíveis aos outros e até a nós mesmos.

Limites Dentro de Casa

Alguns exemplos são comuns como limites entre irmãos, em que um irmão bate no outro, ou o xinga, ou zomba verbalmente do outro, ou o irmão que abusa do outro, entre outros exemplos. E isso acontece não somente entre irmãos na idade infantil, bem como na idade adulta quando moram juntos na mesma casa. Ou até mesmo entre casais, em que a esposa expõe os problemas ou defeitos do marido para as visitas ou parentes, entre outros. O maior prejudicado costuma ser o que tem sua zona invadida. Muitas vezes, sem saber o que fazer, o cônjuge decide se calar, rir da situação e se submete a situações invasivas.

Limites No trabalho

Situações como de chefes que exigem que seus colaboradores trabalhem mais que sua jornada combinada por vários dias ou todos os dias da semana prejudicando a vida pessoal, acadêmica ou familiar do colaborador. Ou então, por exemplo, assédio moral, assédio sexual e chantagens dentro do ambiente de trabalho. Como eu posso dizer não e não ser prejudicado? Será que eu posso ser demitido se eu disser não? Essas e outras perguntas passam na cabeça de muitos colaboradores quando pensam em ter uma vida mais saudável e que esperam respeito dentro do trabalho.

Limites Na educação com os filhos

Crianças que brigam entre si, seja verbal ou fisicamente, não limpam sua sujeira, não obedecem os pais, constrange os pais em público, entre outros comportamentos que, se você for pai ou mãe, já tem exemplos suficientes para entender o que é falta de limites nos filhos. Neste caso, o maior prejudicado não é apenas um, mas a família. As crianças podem se acostumar com este comportamento aprendido e continuar a não respeitar os limites em outros lugares e dentro da família também e os pais continuam sofrendo com isso, principalmente quando são desrespeitados. Alguns pais preferem se calar, são vencidos pelo cansaço dos filhos, abdicando sua autoridade. Até onde ir e até onde não ir? Devo bater nos filhos, gritar? Essas e outras perguntas aparecem em sessões de psicoeducação dentro do consultório.

Limites Com os amigos

Amigos que caçoam de um amigo específico não respeitando suas opiniões, amigos que abusam da generosidade de um amigo, amigos que pedem dinheiro emprestado e não devolvem, amigos que se comportam de forma grosseira com um amigo que tem uma atitude passiva e assim abdica do seu direito de ser respeitado como todo ser humano pode ser. O prejudicado nesta relação, é o passivo, que guarda mágoas, tem rancor de muitas pessoas porque nunca as confrontou ou deixou claro os seus limites.

Limites e a terapia

Como podem ver, este assunto de limites está ligado com todas as áreas de nossa vida. E eu digo que é possível você mostrar esses limites aos outros e receber o respeito que merece. Na terapia cognitiva comportamental, fazemos análises de comportamentos e de pensamentos em determinadas situações que fogem do controle do paciente. Analisando juntos e com técnicas desta abordagem, conseguimos quebrar os paradigmas que o faz agir de tal forma negativa, a fim de buscarmos a melhor maneira de lidar com isso.

Em muitos casos sobre limites, existe uma linha tênue de como reagir a comportamentos invasivos dos outros, que pode parecer invisível no seu dia a dia, mas que dentro do consultório, juntos, conseguimos encontrá-la.

Autora: (Psicóloga CRP 06/114273)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.