O que fazer se eu não me identificar com o psicólogo?

O que fazer se eu não me identificar com o psicólogo

Quem busca auxílio para a resolução dos conflitos do cotidiano em um consultório psicológico, já enfrentou a primeira batalha – que é a de tomar coragem e procurar ajuda. É fundamental uma identificação e empatia total com o psicólogo para que esta empreitada alcance os resultados esperados. Mas, e quando o paciente chega à seguinte conclusão: “não consigo me identificar com o meu psicólogo”, que atitude tomar?

É preciso avaliar calmamente a situação e descobrir quais os motivos exatos para que esta identificação e empatia não estejam acontecendo. Muitas vezes, pode ser até o próprio paciente que não está disposto a se dedicar inteiramente à terapia, mas pode acontecer, também, do profissional não ser o mais adequado para atender aquele paciente especificamente.

Como saber se o psicólogo é adequado para o meu caso?

  • Ética – A empatia entre psicólogo e paciente é o primeiro passo para que o tratamento tenha resultados positivos. Porém, acima disso, o profissional precisa seguir o código de ética. Demonstrações de interesse romântico ou sexual, violação da confidencialidade ou ofensas são inaceitáveis. Fuja desse profissional.
  • Especialidade – Existem várias linhas terapêuticas para o tratamento de dezenas de transtornos. Se o psicólogo com quem você está se tratando não tem a especialidade indicada para o seu caso, o tratamento pode se tornar equivocado. Se você sentir que é isto que está incomodando, o melhor a fazer é procurar um profissional que tenha experiência em atuar no seu tipo de problema.
  • Crenças e valores – O psicólogo precisa ser capaz de entender e respeitar as suas crenças e valores, mesmo que não concorde com elas. Se sentir que está sendo levado a uma mudança impositiva, talvez seja hora de mudar de profissional.
  • Diálogo – O psicólogo está ali para ouvir e orientar. É preciso que seja uma via de mão dupla, com cuidado e sensibilidade para que as respostas não sejam entendidas como regras para o paciente. Mas é importante que o psicólogo responda às suas perguntas e tire suas dúvidas.
  • Conforto – Você precisa se sentir confortável na presença do seu psicólogo. Julgamentos ou críticas não devem fazer parte do tratamento. O psicólogo, apesar de conhecer os seus problemas, deve ser imparcial e conduzir a terapia de forma a mostrar como você pode melhorar a sua conduta e comportamento, mas não julgá-lo. Avalie como está saindo das sessões. Se você percebe que constantemente se sente desconfortável e que não está alcançando os resultados esperados, avalie se não é o momento de procurar outro psicólogo.

E seu eu não me identificar com o psicólogo?

Diante do exposto acima, você pode perceber o quanto é importante essa identificação total entre paciente e psicólogo. Caso esteja percebendo desajuste em algum dos pontos citados, ou algum outro motivo que esteja servindo de entrave nos resultados da terapia, você não só pode, como deve procurar outro profissional.

Tenha uma conversa franca com seu psicólogo, expondo as razões pelas quais decidiu procurar outro profissional. Ele pode, inclusive, indicar um colega de profissão que seja mais adequado ao seu perfil. Muitas vezes isso ocorre até mesmo dentro da mesma clínica.

Saiba que você tem liberdade de escolher o profissional com quem quer realizar a terapia. Afinal, o que está em jogo é a sua saúde mental e física. O objetivo é alcançar os melhores resultados possíveis para superar uma determinada situação e alcançar mais qualidade de vida.

Autora: Thaiana F. Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.