Worklover

Quando trabalhar não é preciso

Worklover

Algumas pessoas acreditam que quanto mais eu estudar naquele dia, mais eu vou saber. Outros worklovers acham que quanto mais eu trabalhar, mais eu serei reconhecido na empresa. Já outros entendem que quanto mais eu souber equilibrar vida pessoal, profissional e acadêmica, mais serei saudável.

Da mesma forma, já vi casos em que o colaborador trabalhava além das horas combinadas pela empresa e não era reconhecido financeiramente, verbalmente ou não teve suas expectativas supridas como gostaria. Também já vi o inverso, em que o profissional trabalhava muitas horas e foi reconhecido e que o outro trabalhou nas suas devidas horas combinadas e nada mais e foi reconhecido.

Diante de tantas situações como essas, que acredito que você tenha se identificado com pelo menos uma, acaba batendo dúvidas de por que que isso acontece. Ou se existe alguma regra para tal explicação. Em se tratando de pessoas, as regras possuem muitas exceções.

De fato, quando realizamos alguma atividade em que sentimos prazer, fazemos com mais zelo sem nos preocuparmos com a quantidade de tempo investida nela. Fazemos tal atividade de forma espontânea, afinal, ela costuma ter a ver com os nossos traços de personalidade.

Também é justamente a alternância entre atividades que traria ao profissional o relaxamento e o descanso necessários à liberação de sua total expressão e criatividade dentro do espaço de trabalho.

O lazer encontrado na vida pessoal ajuda a nos relaxar a fim de termos mais energia para um trabalho ser feito com mais qualidade. Quando não descansamos o suficiente, o estresse acontece, nos impossibilitando de pensar, prestar atenção, memorizar ou raciocinar da nossa melhor forma. As potencialidades da nossa personalidade ficam camufladas a ponto de não sermos reconhecidos pela empresa que trabalhamos e sofremos alguns sintomas como estresse, irritabilidade, oscilações de humor e desequilíbrios de humor em geral.

Ou seja, existe a diferença entre trabalhar em excesso e amar o que faz!

Psicoterapia

Dentro das sessões, a primeira coisa a descobrirmos é quem é você. Qual é a sua personalidade, quais são seus valores, potencialidades, o que você precisa desenvolver, o que você gosta de fazer, o que não gosta, seus hobbies, entre outras informações necessárias para encontrarmos o seu espaço. No seu espaço, você pode potencializar o que tem de bom e ser reconhecido sem estresse. Juntos podemos trilhar este caminho, em que a consequência é para a vida toda!

Autora: Psicóloga Leticia Marques (Psicóloga CRP 06/114273)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.