Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Envolvimento afetivo no ambiente de trabalho

Categoria dos serviços da psicóloga: terapia de casal, relacionamento conjugal, relacionamentos, casamento, divórcio
Relacionamento Afetivo no Trabalho

Segundo psicólogos, em empresas de grande porte, onde geralmente o número de funcionários é grande, envolvimentos afetivos são bastante comuns. No entanto, toda empresa tem sua política e sua cultura e o funcionário precisa respeitar isso.

O fato é que cada vez mais as pessoas têm passado muito tempo no trabalho, o que também acaba torando-se um fator primordial para esse tipo de envolvimento.

A interferência que esse tipo de envolvimento pode ter no desempenho

Como dito anteriormente, toda empresa possui suas regras e sua cultura e o funcionário precisa respeitar isso.

Algumas empresas simplesmente não aceitam. Outras aceitam desde que seja um relacionamento discreto e que o contato físico (como “selinho”, por exemplo) seja fora do horário de trabalho.

Valor Consulta Psicóloga Renata






Não quero informar nome ou e-mail





Independente da forma como a empresa encara os relacionamentos entre funcionários, a questão principal é como o casal se comporta no ambiente de trabalho e como conflitos no relacionamento do casal poderia atrapalhar o desempenho na empresa.

E também como esses conflitos poderiam atrapalhar até mesmo os demais relacionamentos profissionais dentro da empresa, por conta de ciúme, por exemplo.

Em empresas que permitem esse tipo de envolvimento, o bom senso do funcionário é primordial. Obviamente o que se espera é que seja um relacionamento discreto.

Porém, infelizmente, não é bem assim que acontece. Por isso inúmeras vem aderem ao sistema de não permitir esse tipo de relação.

Empresa vs. o Término do Relacionamento

Esse é outro ponto bastante importante e também um fator que faz com que as empresas, geralmente, não permitam essas relações.

Términos de relacionamento são sempre desagradáveis. Agora, imagine terminar uma relação e encontrar, todos os dias, a outra pessoa no trabalho. Como fica a concentração? Como fica o desempenho?

Acredite, chefes não veem isso com bons olhos.

Mas e se eu me apaixonei pelo(a) meu(minha) colega de trabalho?

Agir com transparência e honestidade é sempre a melhor alternativa, por mais que seja difícil.

Os Psicólogos

Conheça os psicólogos do nosso consultório, área de atuação, abordagens e especializações.

EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Conversar com os superiores, explicar o que está acontecendo e (importante) já apresentando soluções para o “problema”, pode colaborar para que a situação tenha um desfecho maduro e responsável.

Com uma postura equilibrada e evitando ao máximo qualquer tipo de lamentação para os superiores, certamente eles darão o apoio necessário para lidar com essa situação, já que são pessoas preparadas para lidar com essas questões entre funcionários.

O que é recomendado em caso de relacionamento afetivo no ambiente de trabalho

Primeiro e mais importante, o recomendado é que seja algo que os superiores saibam.

Esconder ou omitir esse tipo de informação torna-se um problema ainda maior quando descoberto. Depois e não menos importante, o bom senso para lidar com essa relação, com discrição e sabedoria, já que o ambiente de trabalho é um ambiente sério.

Terapia de Casal pode colaborar?

Guia Completo de Como Selecionar seu Psicólogo

Se você é daqueles que gosta de entender tudo nos mínimos detalhes, então esse guia é para você! No guia completo você vai conhecer todo o processo desde onde procurar e selecionar um psicólogo, como é a primeira consulta, como se preparar para a terapia, como é o processo terapêutico e até como avaliar os resultados.

COMO SELECIONAR O SEU PSICÓLOGO

Buscar o auxílio de um psicólogo também pode ser bastante útil.

Geralmente, empresas de grande porte possuem psicólogos à disposição dos funcionários, mas caso o indivíduo não se sinta à vontade em conversar com alguém que, embora siga requisitos como o sigilo profissional, buscar a ajuda de um psicólogo ainda sim pode ser uma alternativa valiosa.

O psicólogo poderá auxiliar o casal em como lidar com os colegas de trabalho e também com os superiores, já que olhares de desaprovação podem acontecer, sim. E é preciso estar preparado para encarar isso, com ética e profissionalismo.

Todo e qualquer tipo de conhecimento a respeito de como lidar com essa situação é válido e os benefícios serão inúmeros.

Dicas e sugestões

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Não se culpe caso esteja passando por essa situação e ainda não sabe como falar com seu chefe sobre o caso.

Apenas reflita com calma e tenha sabedoria, pesando na balança as consequências que podem ter a curto, médio e longo prazo.

Ler as normas e políticas da empresa também poderá ajudá-lo (a) a encontrar a melhor maneira de enfrentar essa situação.

No geral, buscar a ajuda de um psicólogo para dar início a um processo terapêutico ou mesmo uma Terapia de Casal para lidar da melhor maneira com as questões relacionadas ao trabalho, é uma boa alternativa.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Estou sofrendo por amor, o que fazer?

    Sofrendo por amor
    Quem nunca teve seu coração partido e sofreu por amor ? Deve haver um esforço para sair do sofrimento e retomar a vida normal.
  • Como lidar com o término de um relacionamento

    Lidar com o término de um relacionamento
    Terminar um relacionamento nunca é um momento fácil para a maioria das pessoas. A ajuda de um psicólogo ou de Terapia de Casal pode ser muito importante
  • Por que sentimos ciúme?

    Ciúme e Psicologia
    Por que sentimos ciúme ? O ciúme é um sentimento bem difícil de controlar e que aparece por diversas razões. Pode ser ciúme do namorado, amigo, irmão.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana Filla Brotto

CRP 06/106524 – 6ª Região

FORMAÇÃO

Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.