Newsletter
Assine Aqui

Psicólogo e as crianças

Psicologo e as crianças

Você sabia que crianças podem precisar da ajuda de um psicólogo, assim como os adultos? Crianças são muito inteligentes e aprendem rápido qualquer informação que lhes é passada. No entanto, na maioria das vezes, elas não são orientadas a desenvolver habilidades para entender e resolver problemas emocionais, como estresse, trauma, ansiedade e sentimentos causados por uma mudança repentina.

Quando procurar a ajuda de um psicólogo para pais e filho(s)

Sim, estamos falando da família toda, pois a compreensão dos sentimentos da criança deve ser tanto dos pais quanto da própria criança. Psicólogos podem ajudar as famílias a lidar com o estresse e uma variedade de problemas emocionais e comportamentais.

Os filhos podem precisar de ajuda para lidar com o estresse da escola, tais como lições de casa, ansiedade pelo aprendizado constante, pressão dos coleguinhas, e assim por diante. Outros precisam de ajuda para discutir seus sentimentos sobre questões familiares, especialmente se houve uma grande alteração em sua rotina, como um divórcio, mudança de cidade ou doença grave na família.

Quais são os sinais que podem indicar que a criança precisa da ajuda de um psicólogo?

Em alguns casos não é tão simples saber o que causou a mudança comportamental ou emocional na criança. No entanto, eventos significativos, como a morte de um membro da família, amiguinho ou animal de estimação, um divórcio, abuso, traumas, doença grave na família e mudança de casa podem causar estresse, levando a alterações de humor, comportamento, sono, apetite, menor interação social e evolução na escola.

Não leve em conta a famosa frase “criança esquece”. Não, eles não esquecem e podem levar um trauma para a vida adulta, causando depressão e outros problemas psicológicos. Por mais simples que possamos achar que seja o problema, para a criança pode não ser. No dia a dia, é importante ficar atento aos seguintes sinais:

  • Atraso no desenvolvimento da fala e comunicação;
  • Atraso para desenvolver os hábitos de higiene básicos, como escovar os dentes e tomar banho;
  • Problemas de aprendizagem ou frequentes sinais de déficit de atenção (DDA);
  • Problemas comportamentais, como a agressividade – morder, chutar ou bater – e raiva excessiva;
  • Queda no desempenho escolar, especialmente se a criança costumava acompanhar a classe;
  • Momentos de tristeza, choro ou depressão leve;
  • Isolamento social;
  • Diminuição do interesse em atividades que costumava gostar, como ir à escola, brincar com os amigos, ir ao cinema, etc.;
  • Mudanças bruscas de apetite (especialmente em adolescentes);
  • Insônia ou aumento da sonolência;
  • Alterações frequentes de humor;
  • Queixas frequentes de dores que não são identificadas as causas (dor de cabeça, de estômago, de barriga).

Procurando o psicólogo

Raramente uma criança dirá espontaneamente que precisa de ajuda profissional para resolver seus problemas. Por isso, não deixe de lado os sentimentos e mudanças comportamentais de seu filho, acreditando que “um dia passa”. Adolescentes costumam estar mais inseridos no mundo adulto e podem procurar um psicólogo por conta própria ou solicitar aos pais. Da mesma forma, dê importância ao que eles dizem e esteja disposto e aberto a conversar ou ir diretamente ao consultório, buscando ajuda juntos.

Autora: Thaiana F. Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.