Homens e a crise dos 30

Homens e a crise dos 30

Ela existe? Como lidar?

Homens também sentem o peso do tempo: embora a fama maior esteja com as balzaquianas, como são apelidadas as mulheres de 30 anos, eles também entram em crise em torno dessa idade.

Antes, ela vinha depois dos 40 anos e era descrita como crise da meia-idade. Agora, ela está chegando cada vez mais cedo: até mesmo antes dos 30 já se pode sentir seus efeitos. Veja os motivos disso e como lidar com esse momento.

O porquê da crise

Antigamente, idade era sinal de sabedoria e as pessoas mais velhas tinham um charme todo especial. Os homens eram considerados mais viris; as mulheres, mais sedutoras. Porém, hoje tudo mudou. Com a mídia e a sociedade endeusando e glorificando ao máximo a juventude, a partir de uma certa idade tanto homens como mulheres começam a se sentir “ultrapassados”.

Os homens começam lentamente a sentir as mudanças físicas: o corpo se torna mais lento e mais pesado, com dificuldades em perder peso como antes; os cabelos começam a embranquecer ou cair; uma partida de futebol os deixam inutilizados por dias; o fígado já não se recupera magicamente depois de uma noite de bebedeira.

E, de repente, há tantos homens jovens, na faixa dos seus vinte e poucos anos, disputando as atenções das mulheres na balada. O rosto alegre e cheio de vida de cada um deles é quase uma acusação contra o seu, de ar cansado e que começa já a exibir as primeiras linhas de expressão. E os temidos pés-de-galinha? Melhor nem falar das olheiras…

Some-se a isso, a cobrança da sociedade, que espera que aos 30 anos o homem já esteja com a vida completamente estabilizada, no auge da sua carreira profissional, e preferencialmente já muito bem casado, talvez com um ou dois filhos. Mas a realidade é bem diferente: não são todos que conseguem exibir tais conquistas nessa idade.

A percepção de que não se é mais tão jovem, que o tempo está passando e talvez não haja mais tanto tempo para realizar todos os sonhos, além da constatação de que ainda falta um longo caminho para chegar lá, costuma deixar os homens bastante inseguros e com sintomas de ansiedade. É a crise dos 30 anos.

Como lidar?

Essa idade é cheia de questionamentos, medos, ansiedade e inseguranças; porém, ao mesmo tempo, é um salto para a plenitude da vida e da maturidade. Como encarar isso com serenidade, para sair disso tudo ainda mais fortalecido do que antes?

  • 1. Aceitação

Sim, o tempo passa. Encare as mudanças com mais serenidade – afinal, ninguém pode ficar jovem para sempre. Porém, isso não é desculpa para se descuidar de si mesmo. Os cuidados com a saúde devem ser intensificados a partir de agora, para que a maturidade chegue com leveza e você permaneça com vitalidade e disposição.

  • 2. Não se cobre tanto

Onde está o contrato que você assinou com alguma entidade superior, que estipula que você é obrigado a estar rico, casado e com realizações muitas vezes impossíveis à sua realidade e estilo de vida quando chegasse aos 30 anos? Pois é, esse contrato não existe. Então, você não precisa encarar sua situação atual como um fracasso: você está onde foi possível chegar até o momento. Se a sua vida agora não está agradável, é sempre hora de mudá-la – seja consciente que suas escolhas fazem seu destino.

Conheça cada um de nós lendo nosso perfil individual em psicólogos sp. Você poderá também ver os horários disponíveis e agendar sua consulta ou ainda solicitar que a nossa secretária ligue para você.

  • 3. Não fique parado

Não se cobrar é diferente de se acomodar. Não é porque você já tem 30 anos e está ficando com cabelos brancos que sua vida acabou – sempre é tempo de começar coisas novas. Um curso de idiomas, um novo hobby, novas amizades: você é livre para ousar. E a ousadia agora pode ser ainda melhor, porque ela vem com a maturidade e segurança da experiência.

Se você está achando difícil passar por essa etapa de sua vida sozinho, não se sinta constrangido em procurar ajuda: o tratamento psicológico, com um profissional de sua confiança, pode ajudá-lo a compreender suas mudanças interiores e a obter aceitação e respeito por si mesmo, descobrindo que a vida é bela, não importando o estágio dela em que nos encontramos.

Quem leu esse texto também se interessou por:

Autora: Thaiana F. Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.