Síndrome de Burnout

O que é?

Esta síndrome é conhecida como Síndrome de Esgotamento Profissional. Uma exaustão ou esgotamento emocional marcante derivada de muitas situações de estresse na vida profissional.

Como a síndrome funciona?

A Síndrome de Burnout tem como início em alguns transtornos emocionais como a depressão e ansiedade. Sua diferença entre um transtorno depressivo se dá pelos sintomas serem tanto internos quanto externos (fisicamente).

Devido a falta de elaboração de problemas muito estressantes ou o tratamento de uma depressão ou ansiedade já existentes anteriormente, o corpo somatiza isso chegando a uma grande falta de energia física, o que impossibilita o indivíduo de trabalhar, estudar, dando continuidade às suas tarefas cotidianas.

É um alerta que a mente dá ao indivíduo para que ele pare por um tempo e resolva suas dificuldades internas.

Por isso, não é apenas o resultado de uma quantidade alta de trabalho, mas de um trabalho que se tornou elemento estressor e com características negativas para quem sofre da síndrome. Tendo como consequência, a falta de vida social seja com amigos, família, hobbies, entre outros elementos que traria pensamentos mais saudáveis, positivos e descanso físico e mental.

A exaustão emocional abrange sentimentos de desesperança, solidão, depressão, raiva, impaciência, irritabilidade, tensão, diminuição de empatia; sensação de baixa energia, fraqueza, preocupação; aumento da suscetibilidade para doenças, cefaléias, náuseas, tensão muscular, dor lombar ou cervical, distúrbios do sono.

O distanciamento afetivo provoca a sensação de alienação em relação aos outros, sendo a presença destes muitas vezes desagradável e não desejada. Já a baixa realização profissional ou baixa satisfação com o trabalho pode ser descrita como uma sensação de que muito pouco tem sido alcançado e o que é rea¬lizado não tem valor.

O que fazer?

O quanto antes um indivíduo procurar um psicólogo para lidar com eventos estressores em seu cotidiano, será melhor para sua saúde mental e fisica. Não é necessário chegar a esta síndrome para buscar ajuda.

E para quem está passando por esta síndrome, convém buscar ajuda de médicos e de um psicoterapeuta para conseguir enfrentar a ansiedade, depressão, angústia ou estresse.

A terapia cognitiva comportamental possui um leque de técnicas dedicadas a enfrentar esses sintomas relacionados acima de forma objetiva e prática.

Autora: Leticia Marques (Psicóloga CRP 06/114273)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.