Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Categoria dos serviços da psicóloga: clínica de psicologia

Autossabotagem

Autossabotagem

Segundo psicólogos, autossabotagem é o comportamento consciente ou inconsciente de colocar obstáculos nas tarefas importantes que você precisa realizar ou na maneira como você se vê e se coloca diante do mundo.

Hoje eu vou te explicar o que é a autossabotagem e como ela compromete a vida das pessoas nos seus mais variados âmbitos.

Mas, mais do que isso, eu quero te falar como encerrar esse ciclo criando novos gatilhos para os seus pensamentos.

O medo de correr alguns riscos e se comprometer com as responsabilidades da vida podem contribuir com a procrastinação de objetivos, impedindo que você realize os seus tão almejados sonhos.

O que é Autossabotagem?

Autossabotagem é o comportamento consciente ou inconsciente de colocar obstáculos nas tarefas importantes que você precisa realizar ou na maneira como você se vê e se coloca diante do mundo.

A autossabotagem pode ser descrita pela combinação de sentimentos e pensamentos negativos acompanhados de comportamentos autodestrutivos.

Por exemplo quando a pessoa conscientemente quer conquistar ou fazer algo, mas, em contrapartida e de forma inconsciente, suas ações vão na contramão do que se busca.

Essa é uma das maneiras mais comuns de autossabotagem.

Quando você percebe que esse comportamento ocorre com frequência em sua rotina, atrapalhando sua vida social, profissional ou familiar, então talvez esteja na hora de olhar mais profundamente o que pode estar motivando esse ciclo de autossabotagem.

Crenças disfuncionais a respeito da autoimagem, com pensamentos negativos que te fazem acreditar que você não é merecedor ou merecedora das suas conquistas, podem subestimar a sua capacidade de lidar com a vitória, prejudicando sua autoconfiança diante de importantes ou pequenas decisões da vida.

Agora falarei 4 aspectos mais comuns das pessoas autossabotadoras

1. Não conseguem relaxar

Em momentos de descanso, como após um longo dia de trabalho, as pessoas autossabotadoras não conseguem relaxar tranquilamente.

Isso porque ficam pensando que podem ter feito algo errado ao longo do dia, duvidam de suas capacidades e acreditam que podem ser facilmente substituídas por qualquer razão.

2. Procrastinam tarefas importantes

Pessoas autossabotadoras tendem a procrastinar tarefas importantes porque pensam que não serão capazes de elaborá-las ou resolvê-las.

Com isso, acumulam pendências e entram, novamente, num ciclo vicioso de pensamentos e ações autodestrutivos, gerando ansiedade, estresse e, em alguns casos, depressão.

3. Não se organizam

A autossabotagem também está diretamente ligada à organização.

Pessoas autossabotadoras tendem a acreditar que não podem parar para organizar a agenda ou o guarda-roupas porque não serão capazes de dar conta de todas essas responsabilidades ao final do dia.

4. Criticam-se o tempo todo

Valor Consulta Psicóloga Renata






Não quero informar nome ou e-mail





A autossabotagem faz com que as pessoas se critiquem e tenham pensamentos destrutivos repetitivos como “eu não sou capaz”, “eu poderia ter feito melhor”, “eu não mereço essa promoção porque sou incapaz”.

Tudo isso acontece num ciclo vicioso de pensamentos e, muitas vezes, inconscientes. Dificilmente a pessoa autossabotadora identifica que seus pensamentos é que estão equivocados e que esse repertório pode ser alterado.

Agora que você já sabe o que é a autossabotagem, vamos falar sobre como enfrentá-la e encerrar, de uma vez por todas, esse ciclo.

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Identificar as suas potencialidades e se apropriando delas pode evitar que alguns gatilhos da autossabotagem sejam acionados.

O processo psicoterapêutico é significativamente válido nessa etapa de descobertas e, por isso, buscar a ajuda de um psicólogo é muito importante.

Dar um sentido mais otimista diante dos eventos passados e presentes da vida altera o estado de humor e modifica o caráter das emoções.

Com o humor ajustado, se torna mais fácil e possível enfrentar os desafios da vida e traz mais motivação para as ações que precisam ser tomadas.

O resultado do trabalho psicoterápico costuma ser satisfatório, além de aumentar o repertório comportamental das pessoas que se propõe de verdade a encerrar esse ciclo.

Um dos pontos mais importantes da terapia é trabalhar o autoconhecimento e a maneira como você se coloca no mundo.

Os Psicólogos

Conheça os psicólogos do nosso consultório, área de atuação, abordagens e especializações.

EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Com os gatilhos mentais bem elaborados, você facilmente identificará quando os pensamentos negativos aparecerem.

Ao identifica-los, você saberá que eles são os tais pensamentos sabotadores e terá as ferramentas necessárias para mudar essa percepção.

Somente através do autoconhecimento você será capaz de identificar o que te motiva, o que te incomoda, o que te causa medo e o que te deixa inseguro, mas, principalmente, identificar quando pensamentos destrutivos são irreais e uma deturpação da verdade.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Como conviver com pessoas com problemas psicológicos graves

    Como conviver com pessoas com problemas psicológicos graves
    Conviver com pessoas com problemas psicológicos deve ser aprendido para evitar complicações, consultório da psicóloga em São Paulo, Brooklin
  • Psicopatas: entenda tudo sobre eles

    Psicopatas: entenda tudo sobre eles
    O mundo dos psicopatas pertence a um imaginário social, mas você tem o conhecimento real sobre o assunto? Leia o artigo e entenda.
  • Frustração

    Frustração
    Frustração apesar de ser algo bastante comum, pode ser dolorosa. É impossível passar pela vida sem ter a sua parcela de frustrações. Os motivos que podem ocasionar frustração

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana Filla Brotto

CRP 06/106524 – 6ª Região

FORMAÇÃO

Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.