Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Insegurança Emocional

Insegurança Emocional

A insegurança emocional é geralmente definida por psicólogos como uma sensação de desconforto que é desencadeada por acreditar ser inútil, não amado ou não bom o suficiente.

A insegurança emocional é o fator principal em uma grande parte de transtornos mentais, como o transtorno de personalidade borderline e transtorno de personalidade narcisista, o que muitas vezes resulta em baixa autoestima e, por vezes, em uma autoestima nas alturas, que se manifesta através de arrogância ou ar de superioridade.

Uma pessoa emocionalmente insegura é pessimista, anti-social, ou sofre de fobia social, dismorfia corporal, egocentrismo entre outros estados emocionais.

A maioria das pessoas inseguras sofre de algum grau de isolamento. Quanto maior for a insegurança, mais a pessoa sentirá a necessidade de isolar-se.

Diferença entre confiança e insegurança emocional

A confiança (ou segurança) emocional é o potencial que uma pessoa tem de controlar por completo o próprio estado emocional, ou em suma, uma pessoa que é psicologicamente resiliente.

De acordo com muitos psicólogos, a segurança é um estado de espírito em que se está disposto a aceitar as consequências de determinado comportamento vindo de terceiros; todos os aspectos de comportamento em todas as áreas de sua vida, assim, podem ser interpretadas como confiança emocional.

Ao contrário de quem é emocionalmente confiante, uma pessoa insegura é psicologicamente mais frágil, e dá muita ênfase às suas próprias falhas e/ou defeitos.

A insegurança desencadeia atitudes de compensação por tais falhas, como a prática de bullying, comportamentos agressivos, geração de conflitos, arrogância, inveja e antipatia.

Práticas comuns que revelam a insegurança emocional

Inveja/ciúmes

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

A inveja e/ou ciúmes é um sinal típico da insegurança emocional.

Observa-se que a pessoa insegura sente ciúmes das relações dos parceiros, amigos e parentes, da qual ela não faz parte.

A manifestação de inveja também é um sinal de fraqueza emocional e de baixa autoestima.

Dependência emocional

Se você precisa consultar o seu parceiro para cada pequena decisão que você precisa tomar, é um sinal de que você pode ser emocionalmente inseguro.

É também um sinal de que você precisa da validação do seu parceiro para cada um de seus atos.

Raiva constante

Brigar de vez em quando pode até fazer parte das nossas vidas, mas quando uma pessoa está constantemente à procura de uma razão para discutir, algo está errado.

Baixa auto-confiança

A segurança emocional tem uma enorme influência sobre a maneira em que conduzimos nossas vidas.

Uma pessoa emocionalmente insegura não dispõe de auto-confiança, logo, não assume riscos.

Como consequência, ou ela será totalmente passiva nos relacionamentos ou tentará esconder suas inseguranças emocionais sendo totalmente dominante e agressiva.

Sentir-se vulnerável

A vulnerabilidade emocional é outro sintoma da insegurança emocional. A pessoa se sente traída facilmente, e vai procurar respostas e exigir explicações para os mais ínfimos atos dos que estão ao seu redor.

Acredita estar sempre sendo atingido ou alvo de alguma “sacanagem”.

  • Pessoas inseguras são extremamente defensivas quando alguém aponta suas falhas e erros, pois elas simplesmente não aceitam críticas;
  • O indivíduo inseguro possui uma personalidade controladora por se sentir ameaçado por outras pessoas; ele quer agredir de alguma forma. Assim, descarrega suas frustrações sobre os outros.

Outros sinais de uma pessoa insegura incluem:

Valor Consulta Psicóloga Renata






Não quero informar nome ou e-mail





  • Excesso de materialismo e competitividade;
  • As pessoas inseguras só se sentem realizadas quando conseguem impressionar os outros, por isso fazem de tudo para que acreditem que elas são bem sucedidas e perfeitas.

É preciso superar suas inseguranças, ao invés de escondê-las.

Como eliminar as inseguranças

Livrar-se de suas inseguranças não é uma tarefa fácil porque é um comportamento complexo que deriva de diferentes motivos pessoais. No entanto é possível eliminar suas inseguranças, seguindo alguns direcionamentos como base:

  • Não tente ser ‘a melhor versão de si mesmo’ – seja você mesmo;
  • Não perseguir a perfeição – ao invés, melhore a sua pessoa gradativamente;
  • Concentre-se na sua força – não nas suas fraquezas;
  • Confie em você mesmo;
  • Pense positivo – identifique os pensamentos negativos e livre-se deles;
  • Não se culpe por acontecimentos infelizes – tire uma boa lição de cada experiência desagradável;
  • Pare de se comparar com os outros – ou com o que os outros têm e você não;
  • Concentre-se em seus objetivos pessoais – nunca faça algo na intenção de superar alguém que não seja você mesmo.

Ter um pouco de insegurança emocional é normal, mas em muitos casos, não é algo desejável em nossas vidas.

A pessoa que deseja superar suas inseguranças podem buscar ajuda e aconselhamento com um psicólogo que irá identificar, através da psicoterapia, as razões para se sentir de tal forma, sem qualquer pré julgamento — que já é motivo de temor para muitos, por conta do orgulho.

Por isso é sempre mais fácil buscar auxílio profissional do que contar com um ombro amigo para dividir suas inseguranças.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Comportamento Impulsivo

    Comportamento Impulsivo
    As pessoas que costumam agir por impulso tendem a ser guiadas pela própria intuição em detrimento do pensamento racional que, em muitos casos (como em interações sociais), é imprescindível para cultivar boas relações.
  • Transtorno de Estresse Pós-Traumático

    Transtorno de Estresse Pós-Traumático
    Texto sobre Transtorno de Estresse Pós-Traumático da Psicóloga Ingrid Machado.
  • Compras Compulsivas

    Compras Compulsivas
    Você se acha um comprador compulsivo? Leia o interessante texto sobre oniomania da psicóloga da clínica de psicologia Psicólgos Berrini.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana Filla Brotto

CRP 06/106524 – 6ª Região

FORMAÇÃO

Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.