Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Ciúme Descontrolado

Ciúme Descontrolado

Saiba quando procurar um psicólogo

Em 1994, o famoso cineasta francês Claude Chabrol lançou o filme “Ciúme, Inferno do Amor Possessivo” (L’Enfer). A história gira em torno de Paul e Nelly, um casal jovem, bonito e cheio de vida.

Mas, de repente, o fantasma da traição surge como uma sombra sobre Paul: ele começa a duvidar da esposa, e não sabe mais o que é realidade ou fantasia.


Como lidar com esse sentimento, o ciúme?

O que gera o ciúme excessivo

O ciúme se caracteriza pelo medo de perder alguém amado, que você julga seu, para outra pessoa.

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Em parte, o ciúme é algo normal quando se está ao lado de quem se gosta, pois há vários esforços e inseguranças no sentido de fazer com que o relacionamento seja garantido. Pode ser uma prova de amor, mas também sinal de baixa autoestima, insegurança.

O ciúme pode ser algo apenas transitório, que se dilui à medida que os parceiros sentem-se mutuamente seguros.

Algumas pessoas o encaram como prova de amor, zelo ou valorização do parceiro. Outros o consideram uma prova de insegurança e baixa autoestima.

Guia Completo de Como Selecionar seu Psicólogo

Se você é daqueles que gosta de entender tudo nos mínimos detalhes, então esse guia é para você! No guia completo você vai conhecer todo o processo desde onde procurar e selecionar um psicólogo, como é a primeira consulta, como se preparar para a terapia, como é o processo terapêutico e até como avaliar os resultados.

COMO SELECIONAR O SEU PSICÓLOGO

Quando o ciúme se transforma em algo maior, é provável que se esteja diante de uma patologia, e merece atenção do psicólogo.

O ciúme excessivo, nesse caso, mostra um desejo inconsciente de controle e vigília sobre os sentimentos e comportamentos da outra pessoa.

O ciumento torna essa vigília o objeto de sua vida, de modo que, por mais que o outro se preocupe em amenizar a situação, nada é o bastante para convencer e tranquilizar o ciumento.

São situações muito desagradáveis, para quem sofre de ciúme (que perde a noção), para quem é vítima dele (que fica refém da situação) e também para quem assiste às cenas sem poder fazer algo específico.

Como meu parceiro(a) pode me ajudar a controlá-lo

Valor Consulta Psicóloga Vânia






Não quero informar nome ou e-mail





A terapia pode ajudar o parceiro a entender porque permite que o outro confisque a sua liberdade de contato com outras pessoas.

Brigas frequentes, clima tenso. Quem tolera as cenas de ciúme excessivo acaba por alimentar o ciclo, mesmo sem se dar conta, permitindo que o ciumento repita o procedimento sucessivamente.

Por isso, o psicólogo também pode ajudar. É importante que a vítima do ciumento (que, conforme a ótica, pode ser ele mesmo) reconheça o processo e aprenda a evitá-lo.

É possível limitar esse ciúme?

Sim. O ciumento precisa aprender a confiar em si mesmo, buscar sua autoestima.

Com ajuda de um psicólogo você pode ser capaz de olhar para si mesmo e enfrentar esse sentimento complexo e difícil, evitando exteriorizá-lo no outro. Enfrentando isso, os relacionamentos acabam fortalecidos e duradouros.

Preciso de um tratamento para controlá-lo?

Os Psicólogos

Conheça os psicólogos do nosso consultório, área de atuação, abordagens e especializações.

EQUIPE DE PSICÓLOGOS

O ciumento patológico deve buscar auxílio de um psicólogo, sim. A terapia pode resolver, pois é possível tratar-se de um ciclo familiar.

Em alguns casos, entretanto, pode ser necessário ajuda medicamentosa, já que tanto o emocional quanto o físico estão em questão.

Antidepressivos podem ser uma alternativa adotada pelo profissional, e o resultado é bom. Mas jamais proceda à automedicação.

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana Filla Brotto

CRP 06/106524 – 6ª Região

FORMAÇÃO

Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC.