Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Aprenda a rir de si mesmo

Aprenda a rir de si mesmo

Ter um bom senso de humor torna a vida bem mais fácil, sabia? Os momentos difíceis se transformam em momentos agradáveis quando aprendemos a buscar alegria ao nosso redor. Rir de si mesmo, contudo, é diferente de rir de eventualidades da vida ou de coisas engraçadas.

É, de fato, uma habilidade que não é facilmente dominada por todos.

Segundo Psicólogos, rir de si mesmo é uma característica de pessoas otimistas e humildes, que não temem admitir os seus erros. Não há nenhuma correlação com a qualidade do senso de humor.

Ou seja, qualquer um que se dedique a desenvolver uma mentalidade otimista pode adquirir essa habilidade e levar uma vida mais alegre.

O que significa “rir de si mesmo”?

“Rir de si mesmo” é uma expressão que faz referência a capacidade de algumas pessoas de enxergar os próprios erros e aceitá-los com bom humor.

A partir do reconhecimento de seus pontos falhos, elas conseguem mudar as suas vidas ou seguir adiante sem maiores problemas.

Essa postura de determinação e de compaixão consigo mesmo é sinal de inteligência emocional.

As pessoas que não conseguem ver humor em si mesmas se levam a sério demais. Assim, não conseguem se desprender dos erros cometidos e dos julgamentos alheios. Elas são orgulhosas, inseguras e, às vezes, arrogantes.

Tentam disfarçar as suas falhas com comportamentos esdrúxulos ou culpar terceiros em vez de assumirem a responsabilidade por seus atos. Também tendem a reagir com abrasividade quando são alvos de críticas, especialmente acerca de um assunto muito importante para elas.

A seriedade excessiva dificulta a administração de acontecimentos e de emoções adversas. Parte dos eventos da vida já são difíceis por si só, então por que agravar a sua intensidade com o mau humor?

É preciso ter autoconhecimento para rir de si mesmo

O autoconhecimento é essencial para ser capaz de rir de si mesmo, pois essa habilidade requer um alto nível de autoaceitação.

Valor consulta atendimento online e presencial psicóloga Juliana






Não quero informar nome ou e-mail





Quem se aceita exatamente como é, incluindo os seus defeitos e fracassos, não tem medo de errar e ser julgado. Além disso, conhece os seus gostos, traços de personalidade, preferências e objetivos de vida.

As críticas de terceiros, quando negativas, deixam de abalar o emocional. O autoconhecimento ajuda as pessoas a considerarem somente o que é bom para elas. Palavras e ações cujo objetivo são causar mágoa são devidamente ignoradas. Afinal, por que dar atenção para quem deseja nos causar mal?

Vivemos em uma sociedade que ainda faz muitos julgamentos. Isso porque a insegurança é generalizada e poucas pessoas sabem lidar com ela. É mais fácil tentar diminuir o outro para se sentir bem consigo mesmo que encarar os próprios erros e comportamentos disfuncionais.

Aprender a rir de si mesmo é necessário para se proteger de críticas incessantes ocasionadas pela insegurança alheia. Quando você se conhece e se aceita da forma que é, consegue dar risada de suas ações, pensamentos e falas sem medo.

Como rir de si mesmo?

Se neste momento da sua vida você só consegue rir “das suas próprias desgraças”, fazendo piadas autodepreciativas para tentar se sentir bem, precisa modificar a sua mentalidade.

Rir de si mesmo deve provocar sentimentos bons, não raiva, tristeza ou aversão à sua própria personalidade.

Os Psicólogos

Conheça os psicólogos do nosso consultório, área de atuação, abordagens e especializações.

EQUIPE DE PSICÓLOGOS

É possível aprender a silenciar o seu crítico interno e encontrar graça no seu jeito de ser com um pouco de prática e compaixão consigo mesmo.

Esse esforço deve ser frequente. Todos nós precisamos estar sempre à procura de coisas que nos fazem bem para cultivarmos o bom humor. A felicidade não se constrói sozinha!

1.    Seja compassivo consigo mesmo

Olhe para si mesmo com amor da mesma forma que você faria com uma pessoa querida, como um parente, um cônjuge ou um amigo. Você é humano assim como eles. Comete erros e acertos, passa por altos e baixos e, sobretudo, não sabe tudo sobre a vida. Logo, merece o mesmo tratamento compassivo.

Se não consegue fazer isso de jeito nenhum, se pergunte por que você trata os outros melhor do que trata a si mesmo. Algumas perguntas para ajudar nesse processo de descoberta são:

  • De onde vem a necessidade de se criticar constantemente?
  • O que falta para você conseguir se aceitar?
  • Por que você não gosta de você?
  • Por que você acha que é inferior aos outros?

Após refletir sobre essas e outras questões, procure modificar a forma como você pensa sobre si mesmo. Aceite os seus erros, seja racional ao analisar os seus defeitos, respeite as suas necessidades, e se afasta da fonte do seu estresse e mal-estar.

2. Seja o seu melhor amigo

Ser o seu melhor amigo significa saber escutar os seus sentimentos, escolher relacionamentos e amizades, tomar decisões que visam a situação mais apropriada para si mesmo e ter hábitos saudáveis. Basicamente, é desenvolver um pensamento minimamente “egoísta”.

Embora você tenha um parceiro, amigos e familiares maravilhosos, quem deve cuidar da sua saúde mental e ajudá-lo a sair de situações adversas é você mesmo. Não transfira a responsabilidade por sua felicidade para os outros, mesmo que sejam pessoas amadas.

Ninguém tem a obrigação de fazê-lo feliz ou ser leal a você, e vice-versa. Não cultive expectativas muito altas sobre os seus relacionamentos interpessoais. Quando esperamos que o outro retribuía o nosso carinho e amor, facilmente nos decepcionamos.

Estamos sozinhos durante grande parte de nossa vida. Então, é ideal que tenhamos uma boa relação conosco para não sofrermos com a insegurança, o pessimismo, a ansiedade e a depressão.

Aprenda a gostar da sua própria companhia, seguir a sua intuição e se valorizar independente das opiniões alheias.

3.    Não dê atenção a julgamentos alheios

Assim como você sempre será julgado, também fará julgamentos quando acreditar pertinente. É impossível escapar dos julgamentos e das críticas quando se vive em sociedade. Como são múltiplas personalidades convivendo nos mesmos espaços, atritos e pré-julgamentos são esperados.

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Para entender o outro, é preciso levar em conta a sua personalidade, criação, experiências de vida e crenças. Em interações superficiais é impossível adquirir todas essas informações, concorda?

Quando você julga alguém na verdade está levando em consideração uma pequena parte do que a pessoa é. O mesmo é válido para quem faz julgamentos sobre você.

Sendo assim, não dê atenção para julgamentos equivocados sobre a sua personalidade, os seus valores e as suas ações. Valorize quem tenta compreender como você se porta através de questionamentos e conversas sinceras.

Veja graça no que as pessoas falam de você sem conhecê-lo de verdade e siga em frente! No fim do dia, os julgamentos de terceiros não fazem diferença em nossa qualidade de vida.

4.    Desenvolva limites saudáveis

Se você deseja aprender como rir de você de modo saudável, precisa estabelecer limites pessoais. Muitas vezes as pessoas riem delas mesmas para manter as aparências, mas se sentem mal em seu interior. Tentam copiar os outros em vez de encontrarem o valor dentro de si.

Você não deve comprometer a sua saúde mental para rir de si mesmo.

Por isso, estabeleça limites em sua vida social, afastando quem gosta de rir de você em vez de com você. Faça o mesmo em sua vida profissional, recusando pedidos absurdos e demandas extras para evitar o esgotamento.

Coloque o seu próprio bem-estar em primeiro lugar e, logo, você conseguirá construir um estilo de vida mais tranquilo. Você já deve ter percebido que pessoas estressadas raramente conseguem ver o lado positivo de si mesmas ou dos acontecimentos.

Nos colocamos no humor necessário para dar risada de nós mesmos quando vivemos com leveza.

5.    Seja verdadeiro consigo mesmo

Guia Completo de Como Selecionar seu Psicólogo

Se você é daqueles que gosta de entender tudo nos mínimos detalhes, então esse guia é para você! No guia completo você vai conhecer todo o processo desde onde procurar e selecionar um psicólogo, como é a primeira consulta, como se preparar para a terapia, como é o processo terapêutico e até como avaliar os resultados.

COMO SELECIONAR O SEU PSICÓLOGO

O nosso último conselho é: seja verdadeiro com a pessoa mais importante da sua vida, ou seja, com você mesmo. Não minta para si mesmo para agradar os outros (especialmente quem não lhe quer bem) ou para seguir um padrão de vida indesejado.

Você apenas conseguirá agir, pensar e se expressar com sinceridade e, consequentemente, rir de si mesmo, quando se conhecer e se aceitar.

Comece a prestar atenção em si mesmo e refletir sobre as características de sua personalidade e as suas reações para aprofundar o seu autoconhecimento. Esse exercício é diário e para o resto da vida, combinado?

Como as pessoas mudam com o passar dos anos, sempre haverá coisas novas para aprenderem sobre si mesmas. Você vai perceber quando não está sendo honesto consigo mesmo após tomar uma atitude ou conversar com alguém e sentir-se incomodado. Pessoas verdadeiras não sentem “remorso” por terem agido inapropriadamente porque são fieis a si mesmas.

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Thaiana Filla Brotto

Thaiana é psicóloga e CEO do consultório Psicólogos Berrini. Psicóloga formada em 2008 pela PUC-PR, com pós-graduação pela USP em Terapia Comportamental e pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC. Thaiana Brotto é registrada no Conselho Regional de Psicologia sob o número 06/106524

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *