Transtorno de ansiedade – Depressão, pânico, medo e fobia

Ansiedade: Comoção aflitiva do espírito que receia que uma coisa suceda ou não. Sofrimento de quem espera o que é certo vir; impaciência. Definição dicionário Aurélio

O Estresse, as preocupações, o excesso de atividades, as cobranças do dia a dia, entre outras situações do cotidiano levam muitas vezes as pessoas a perturbações mentais que se caracterizam por sentimentos de ansiedade e medo.

A ansiedade está associada à preocupação com acontecimentos futuros e o medo uma reação às situações atuais. Estes sentimentos estão presentes na vida diária. Quem não fica ansioso para chegar em um local quando tem hora marcada e o trânsito está congestionado?

Outro exemplo, a violência na cidade leva ao medo de assalto e, por isso, temos receio de parar em um semáforo tarde da noite. Estes sentimentos são normais e fazem parte do nosso cotidiano.

Em que momento a ansiedade e o medo podem ser caracterizados como um transtorno mental?

A resposta é bem simples: quando estes sentimentos passam a atrapalhar as atividades diárias.

Os sintomas relacionados ao transtorno de ansiedade ocorrem quando não estamos diante de situações reais de medo ou estresse. Exemplificando, não estamos com pressa ou correndo, mas o coração está acelerado e estamos com sudorese, por exemplo.

Medo de que algo errado ocorra nos leva a não sair mais de casa. A ansiedade nos impede de tomar decisões básicas da vida.

Estes sinais são alertas importantes que precisamos procurar ajuda profissional. Não vamos conseguir sair destes sintomas sem um tratamento adequado. A necessidade de medicamentos para controle dos sintomas mais graves será fundamental para se obter sucesso neste trabalho.

Precisamos saber que doença mental tem tratamento e cura.

Os sintomas dos transtornos de ansiedade precisam ser tratados com remédios, mas a terapia psicológica é fundamental para buscar a origem do processo. Quando tratarmos somente o sintoma sem descobrir a causa, a chance de sucesso é pequena.

A melhor analogia para entender este processo é pensar nas doenças físicas. Estamos com uma infecção (causa), a febre está alta e estamos sentindo muita dor (sintoma). Se tratamos somente com analgésico, a febre e a dor melhoram, mas a infecção continuará presente e poderá causar um estrago enorme no nosso corpo. Precisamos combater a infecção, ou seja, a causa da doença, com antibióticos, que associados ao analgésico chegará à cura da doença. Fácil de entender, não é?

Quando falamos de doenças psíquicas, a comparação é idêntica, mas as pessoas têm mais dificuldade de entender. Os sintomas na doença da mente, assim como na doença física, precisam ser tratados com medicamento (analogamente seria o analgésico) e o que causou a doença com a psicoterapia (analogamente o antibiótico).

A psicoterapia é o antibiótico da doença mental. Ela irá trabalhar a origem dos transtornos de ansiedade, ajudará a descobrir o que causou os sintomas da depressão, do pânico, do medo e das fobias.

Autora: Carolina Carmignani (Psicóloga CRP: 06/36041)