Autoconhecimento

autoconhecimentoUma vida sem autoconhecimento é, com certeza, uma vida vazia. Precisamos dele para viver bem, para conhecer nossos limites, para lutar por objetivos concretos e para obter autonomia. Quando não nos conhecemos, ficamos perdidos diante da vida e dos desafios que enfrentamos. Conhecer nossas emoções, temores, limites e habilidades é fundamental tanto para a saúde psicológica, quanto para o crescimento pessoal e profissional.

Conhecer a si mesmo é um grande desafio em um mundo conturbado e repleto de informações como o nosso. Na era do conhecimento, acumulamos informações técnicas e que se destinam ao exercício de nossas vidas profissionais.

Buscamos conhecer mais o tempo todo, por diversos motivos. Ter conhecimento nos confere poder, status, representatividade e alimenta o ego. O curioso é que é na busca e sede de conhecimento, negligenciamos o autoconhecimento.

Quando estamos situações alheias ao nosso desejo, é preciso autoestima e uma certa dose de autoafirmação. E somente conhecendo a nós mesmos, nos dedicando a arte de investigar quem somos, podemos lidar com situações que nos exijam a autognose. 

Na realidade, o autoconhecimento é fundamental para que a pessoa possa ser dona de si mesma. E também para que possa verdadeiramente conseguir enfrentar as situações difíceis da vida e conquistar vitórias. 

Já a falta de autoconhecimento pode trazer graves consequências, tais como envolver-se em relações abusivas, prejudicar o crescimento pessoal e profissional,  desenvolver de fobias etc.

Portanto, para ter uma vida plena, o autoconhecimento é fundamental. E você sabia que ele é uma habilidade que pode ser desenvolvida? Leia o artigo e veja algumas dicas para isso.

Autoconhecimento e a negação 

O grande preço que pagamos por não nos conhecer bem, é ter que lidar com a negação. E a negação as vezes pode ocorrer quando afirmamos: nossa, nasci assim, nunca vou mudar.

Como podemos ter o controle de nossa vida se alimentamos crenças limitantes sobre nós mesmos? A maior parte de nosso comportamento é aprendido. Tanto que criar hábitos saudáveis é uma receita poderosa para o bem-estar. Portanto, afirmar que “eu sou assim e ponto final” é uma forma de sabotar nosso autoconhecimento e limitar nosso crescimento pessoal e profissional. 

Conheça-te a ti mesmo e acerte nas decisões

Ter consciência de quem somos e o que realmente importa para nós traz lucidez na hora de tomar decisões. É como um guia quando nos sentimos indecisos. E se nos conhecemos bem, saberemos naturalmente decidir o que é melhor para nossa vida.

>>> Leia também: Autocontrole

Isso traz autonomia e segurança para nossa vida, e resulta na eleição de caminhos que realmente queremos e precisamos seguir para alcançar nossos sonhos e objetivos. É uma vantagem poder escolher tendo a consciência de quem somos, e reduz nossa margem de erro. 

Exercícios e modos de se conhecer melhor

Um exercício muito produtivo para ter mais consciência de si mesmo, em de atividades reflexivas e quanto nos dedicamos a elas. A prática de Yoga, a meditação, caminhadas, leituras podem contribuir nesse processo. Dedique um tempo para pensar sobre a vida e conversar sobre isso, ajuda muito. 

Busque ajuda de um psicólogo 

As terapias costumam ter um efeito rápido e produtivo nesse sentido. Já pensou em buscar ajuda de um profissional para ele ensinar meios para obter  autoconhecimento? Esse um caminho que ajuda muitas pessoas a desenvolver o autoconhecimento e a ter mais felicidade em suas vidas. 

O certo é que poucos de nós nos dedicamos efetivamente ao autoconhecimento.  Mas o preço que pagamos por isso é alto demais. Uma vida sem autoconhecimento é cheia de perigos. Acabamos por nos por em situações prejudiciais e nos expomos a sofrimento.Por isso, é bastante importante se conhecer. E buscar ajuda de psicólogos pode ser um caminho efetivo para desenvolver essa habilidade.

Esse artigo foi útil? Você também pode se interessar por este aqui: Como aumentar o poder de decisão?

Autor: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)
*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.