Como aumentar minha segurança e autoestima?

Categoria dos serviços da psicóloga: clínica de psicologia
Como aumentar minha segurança e autoestima?

Você sempre pensa que a vida de todo mundo é boa, menos a sua? Acredita que não será capaz de realizar algo, mesmo que esteja morrendo de vontade de idealizá-lo? Em uma cultura competitiva e controlada pelos padrões sociais, não se sinta sozinho (nem pior) caso tenha esses pensamentos frequentemente.

Essa sensação diz respeito à autoestima, caracterizada por um conjunto de sentimentos e pensamentos que a pessoa tem sobre seu próprio valor, competência e adequação no meio. A autoestima pode repercutir em atitudes positivas e negativas em relação a si mesmo. É positiva quando se sobressai os sentimentos de satisfação e valorização, e negativa quando a sensação é de inutilidade e fracasso. O que influencia o modo como alguém vai eleger as próprias metas, aceitar a si mesmo, valorizar o próximo e projetar e executar seus sonhos para o futuro é o ponto essencial.

Está procurando por psicóloga em São Paulo? Então conheça as psicólogas da nossa clínica de psicologia, confira o valor da consulta e agende uma consulta diretamente pelo site.

Como melhorar a autoestima?

Se você considera sua autoestima baixa, a boa notícia é que isso é, em grande parte, uma atitude aprendida. Tudo o que gera sensações está intimamente relacionado com os hábitos que temos em relação às nossas atitudes e comunicação interna. Quando aprendemos a visualizar de uma outra forma nossas perspectivas e habilidades, construímos pouco a pouco uma boa autoestima.

Para os sentimentos positivos se sobressaírem é importante que diferentes âmbitos da vida estejam em harmonia: familiar, escolar, pessoal, profissional e afetivo. É fácil notar que se uma destas áreas não está indo bem, as outras não receberão “atenção”, e todas estão relacionadas com a autoestima e segurança. Mas como trabalhar esses aspectos? Veja algumas ações que você pode realizar desde já:

Defina metas possíveis

Definir pequenas metas diariamente pode ajudar a restabelecer o controle de sua vida. Tais metas podem ser arrumar aquele armário, limpar a casa, fazer supermercado, organizar a mesa do trabalho, etc. O importante é você se sentir satisfeito e capaz a cada “mini meta” cumprida. Sentimentos negativos podem surgir até mesmo quando postergamos tarefas como essas.

Comece devagar, anote em um papel o que precisa concluir e o passo a passo. Essa atitude gera mais energia, inclusive para as próximas atividades consideradas mais complexas.

Saiba o que você quer

Primeiro, se oriente por aquilo que quer. O querer é tão importante quanto o fazer. Converse consigo mesmo e avalie o que realmente você quer para sua vida? Não tenha medo de pensamentos consideramos despropositais ou inadequados, pois é o seu querer falando mais alto. Anote em um papel os pontos que precisa melhorar e avalie como isso será feito. E comece.

Tenha momentos de lazer

Parece meio óbvio, não é? Mas é muito comum as pessoas deixarem esse aspecto de lado. A culpa gerada pelas tarefas inacabadas é tão grande que o indivíduo deixa de fazer algo prazeroso para tentar terminar sua atividade – sem energia nenhuma. Pare e pense: essa atitude é eficaz?

Atividade física, ver um filme, sair para andar em parque, jantar com os amigos, visitar a família – qualquer momento de lazer é válido. A autoestima em baixa pode ser a porta de entrada para condições clínicas mais complicadas, como depressão e ansiedade extrema. Portanto, vá se divertir!

Goste de se cuidar e não faça comparações

É muito gostoso encontrar e conversar com uma pessoa que gosta de se cuidar, não é? Assim, se cuidar significa ter uma boa alimentação, praticar exercício físico, cortar o cabelo e fazer atividades que te deem mais energia para realizar as próximas.

Reparar nas suas qualidades ao invés dos defeitos faz uma enorme diferença. Não será sua timidez que encobrirá o seu talento para decorar uma casa, entendeu? Pensamentos negativos condicionados por muitos anos tornam-se inconscientes e disparam automaticamente.

Evite se comparar com outras pessoas. Uma dica? Observe aquela pessoa que você tanto admira e repare o que ela faz de diferente. Ao invés de se comparar negativamente com ela, aprenda junto!

Aprenda com os erros

Não é porque errou uma vez que nunca mais conseguirá realizar nada e que ninguém fez nada para te ajudar. Saber lidar com os erros também faz parte de uma autoestima saudável. Se imagine dentro de um jogo de futebol: você é atacante e sabe que o lateral direito é muito bom para roubar bolas. O que fará na próxima vez? Não vai passar por ele, certo? Aprenda com o erro e reveja a estratégia!

Sonhe e faça planejamentos

Pense no seu querer e comece a definir desde já o que deseja para você. Coloque seus sonhos em ação, mas faça um planejamento antes. O caminho será um desafio, mas é energizante e recompensador. Acredite!

Referências:

Sbicigo JB, et al. Escala de Autoestima de Rosenberg (EAR): validade fatorial e consistência interna. Psico-USF (Impr.) vol.15 no.3 Itatiba set./dez. 2010.

Quem leu esse texto também se interessou por: 

Outros textos que podem lhe interessar


  • Frustração

    Sensação de Incapacidade


  • Funcionamento da Psicoterapia

    Perguntas Frequentes


  • Autosabotagem

    O que fazer?

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.